O Inconsciente e a Resistência

Comments 0 by in Psicanálise
March 10, 2015
O Inconsciente e a Resistência

terapiaaFoi na interpretação dos sonhos que Freuddeu a primeira definição da noção de resistência. Ele diz que tudo que destrói a continuidade do trabalho é uma resistência; sendo que trabalho aí é a revelação do inconsciente.

Veja mais sobre O Iconsciente

Veja mais sobre O recalcamento

E Lacan (1954) nos lembra que não se pode colocar em primeiro plano que a técnica analítica tem por finalidade forçar a resistência do sujeito. Em diversas ocasiões Freud parece mostrar que a resistência emana daquilo que está para se revelar, do recalcado, do verdrangt.

Em 1910 em ‘A Psicanálise SilvestreFreud já falava que informar ao paciente sobre seu inconsciente e suas motivações só trará dificuldades ao tratamento; o paciente não sofre de uma ignorância e que se alguém consegue remover essa ignorância ele vai se recuperar. O fator patológico não está nesse ignorar propriamente, mas estar o fundamento dessa ignorância em resistências internas; “foram elas que primeiro produziram esse ignorar e elas ainda o conservam agora.” (Freud, 1910, p. 211).

Recalque

O recalque originário

Freud fala que há uma primeira fase do recalcamento que consiste na recusa de um representante da pulsão pelo consciente e que a partir daí se estabelece uma fixação; essa fase do recalcamento é anterior à distinção entre consciente e inconsciente.

De acordo com Lacan, Laplanche e Leclaire o ingresso no mundo simbólico (o mundo da palavra, da lei, da linguagem) é o momento da constituição do inconsciente. Mas, infelizmente, Lacan não faz uma descrição detalhada do recalque originário.

O imaginário é o que nos introduz no mundo da subjetividade. Anterior ao imaginário teríamos a pulsão, mas esta pertence ao impensável, nunca se dá por si mesma, mas se apresenta sempre pelos seus representantes psíquicos. Anterior ao simbólico, o imaginário constituiria o primeiro corte no exercício pleno da pulsão (Roza, 2005).

Tags: