Introdução ao Conceito de Neurose Obsessiva

Comments 0 by in Psicanálise
March 9, 2015
Introdução ao Conceito de Neurose Obsessiva

lavarmaosA neurose obsessiva situa-se no campo de estudo da psicanálise de Sigmund Freud, podendo ser entendida a partir de uma experiência traumática que acomete a estrutura do sujeito. O presente artigo tem a finalidade de fomentar discussões sobre a utilização das terminologias usadas pelo DSM-IV, fazendo uma inter-relação com a psicanálise. Assim como apresentar algumas ideias psicanalíticas sobre a neurose obsessiva e introduzir o aspecto obsessivo no caso “homem dos ratos”. Nesse sentido, o estudo se torna relevante para apontar novas vertentes sobre a temática, bem como possibilitar diálogos com a psicanálise e a psicologia.

 Palavras-chave: Neurose Obsessiva, Sigmund Freud, Psicanálise.

1. Considerações Iniciais

A neurose obsessiva se caracteriza como uma doença mental grave, podendo ser entenda a partir de um conflito decorrente de uma experiência traumática que acomete a estrutura do sujeito no contexto libidinal. O trabalho defensivo da neurose obsessiva consiste, portanto, em transformar a representação forte da experiência infantil penosa numa representação enfraquecida e em orientar para outros usos a soma de excitação, por esse estratagema, foi desligada de sua fonte verdadeira.

Desse modo, a neurose obsessiva se desenvolve a partir do Complexo de Édipo, onde a libido do indivíduo encontra-se fixada no estágio anal de maturação da sexualidade. O sentimento de culpa, pode se caracterizar como uma forte tendência do neurótico obsessivo, em que tentam usar objetos como tentativa de aliviar conflitos internos.

As obsessões podem ser identificadas a partir de pensamentos, ideias, sentimentos, frases, números, superstições mágicas, atitudes compulsivas que invadem a consciência de forma repetida e recorrente, o que provoca no sujeito uma sensação de mal-estar e impotência diante de tais pensamentos.

Assim, o pensamento do sujeito obsessivo é abstrato, não tem uma ligação com a realidade. Os obsessivos se preparam constantemente para o futuro, e não conseguem viver o presente. Na psicanálise, há mais dificuldade no tratamento desse indivíduo tendo em vista a dificuldade de associação livre, assim como na internalização do conflito apresentado.

2. DSM-IV e Neurose Obsessiva: um paradoxo

O DSM-IV, considera-se o Transtorno da Personalidade Obsessivo-Compulsiva (F60. 5 – 301.4) um padrão invasivo de preocupação com organização, perfeccionismo e controle mental e interpessoal, às custas da flexibilidade, abertura e eficiência, que começa no início da idade adulta e está presente em uma variedade de contextos, indicado por pelo menos quatro dos seguintes critérios:

“(1) preocupação tão extensa, com detalhes, regras, listas, ordem, organização ou horários, que o ponto principal da atividade é perdido; (2) perfeccionismo que interfere na conclusão de tarefas (por ex., é incapaz de completar um projeto porque não consegue atingir seus próprios padrões demasiadamente rígidos); (3) devotamento excessivo ao trabalho e à produtividade, em detrimento de atividades de lazer e amizades (não explicado por uma óbvia necessidade econômica); (4) excessiva conscienciosidade, escrúpulos e inflexibilidade em assuntos de moralidade, ética ou valores (não explicados por identificação cultural ou religiosa); (5) incapacidade de desfazer-se de objetos usados ou inúteis, mesmo quando não têm valor sentimental; (6) relutância em delegar tarefas ou ao trabalho em conjunto com outras pessoas, a menos que estas se submetam a seu modo exato de fazer as coisas; (7) adoção de um estilo miserável quanto a gastos pessoais e com outras pessoas; o dinheiro é visto como algo que deve ser reservado para catástrofes futuras;  (8) rigidez e teimosia.”

Tais critérios levantam as características psiquiátricas desse adoecimento, criadas com base no contexto geral, o que leva ao debate sobre destacar e entender também a história individual de cada sujeito. Essa ideia apresentada pelo DSM-IV entra em contradição com a psicanálise, que nomeia o problema de neurose obsessiva.

Uma questão que é levantada é que o DSM, ao lado da CID-10, exclui a subjetividade e toma o sintoma pela estrutura, ou seja, aquilo que responde à uma classe, esmaga o sujeito e o exclui de cena, uma vez que a particularidade do sujeito não tem a ver com a classificação, mas com aquilo que escapa a ela (GOMES, 2009).

3. Um Ideia Psicanalítica sobre a Neurose Obsessiva

Entende-se que a neurose obsessiva é uma das psiconeuroses de defesa, pelo fato de ser resultante de uma ação “traumática” de experiências sexuais na vida infantil e se constitui um esforço de defesa contra qualquer representação e qualquer afeto oriundo de tais experiências e tendem a perpetuar o que elas tinham de incompatível com o eu.

 Freud (1996), em seu texto sobre as neuroses, apresenta sua preocupação com tal problema e a partir de seus estudos sobre o tipo clínico Neurose Obsessiva, pode entender que o paciente que analisou gozava de boa saúde mental até o momento em que houve uma ocorrência de incompatibilidade em sua vida representativa – isto é, até que seu eu se confrontou com uma experiência, uma representação ou um sentimento que suscitaram um afeto tão aflitivo que o sujeito decidiu esquecê-lo, pois não confiava em sua capacidade de resolver a contradição entre a representação incompatível e seu eu por meio da atividade de pensamento.

Assim, a tarefa que o eu se impõe, em sua atitude defensiva, de tratar a representação incompatível, simplesmente não pode ser realizada por ele. Tanto o traço mnêmico como o afeto ligado à representação lá estão de uma vez por todas e não podem ser erradicados. Mas uma realização aproximada da tarefa se dá quando o eu transforma essa representação poderosa numa representação fraca, retirando-lhe o afeto – a soma de excitação – do qual está carregada. A representação fraca não tem então praticamente nenhuma exigência a fazer ao trabalho da associação (GOMES et al 2009).

Desse modo, o que caracteriza a construção de uma neurose, é que o Eu está submetido às exigências da realidade e imposições do superego. Nesse sentido, o sujeito obsessivo passa a ter falsas conexões psíquicas, e assim, tem a tentativa de retirar do pensamento alguma representação incompatível, através de outros pensamentos, o que geram diversos pensamentos ritualísticos, para conseguir lidar com tal incompatibilidade.

4. O Caso “Homem dos Ratos” e a Neurose Obsessiva

Para responder a questão da neurose obsessiva, Freud (1909) se deteve a estudar um caso clínico em específico. Esse estudo pôde ser conhecido como caso “homem dos ratos”, em que tece algumas considerações sobre a neurose obsessiva. Seu protagonista é um jovem advogado que sofria de sintomas clássicos de neurose obsessiva, como ideias terríveis que sempre voltam e que requerem o cumprimento de certos rituais para que não se tornem realidade.

O paciente teme que coisas terríveis ocorram com seu pai e com uma dama venerada. Está submetido a impulsos obsessivos, como o de fazer mal à dama, que lhe ocorrem quando ela está ausente; mas estar longe dela lhe faz bem. Ele se impõe interdições e se atrasa em seus estudos de direito, pois apresenta inibições ligadas ao combate contra seus sintomas. Ele vem consultar Freud porque leu a “Psicopatologia da vida cotidiana”. Pode-se dizer que houve ali o encontro com o sujeito suposto saber, encontro que o conduz à hipótese de que seus sintomas querem dizer alguma coisa (SUAREZ, 2011).

Para analisar a formação da neurose obsessiva, Freud (1909) discorre sobre algumas especificidades acerca da sintomatologia desse indivíduo, como a onipotência de seus pensamentos, bem como a necessidade de incerteza e da dúvida em suas vidas. A onipotência decorre da superestimação dos efeitos de seus sentimentos hostis sobre o mundo externo. Em relação a incerteza e a dúvida, o obsessivo tende a protelar qualquer decisão e são incapazes de chegar a um decisão, especialmente no que tange ao aspecto afetivo.

De acordo com Suarez (2011) o neurótico obsessivo é um sujeito afetado por seu pensamento, que sofre de seus pensamentos. Na neurose obsessiva, contrariamente à histeria, o recalcamento não é ligado à amnésia e ao esquecimento, mas a uma disjunção da relação de causalidade que se produz em função de um deslocamento do afeto. O sintoma obsessivo é o resultado de deformações destinadas a mascarar o pensamento, que provêm da censura primária. O pensamento obsessivo torna-se alheio ao sujeito.

5. Considerações Finais

Com base nas discussões apresentadas nesse trabalho pôde-se compreender que a estrutura neurótica obsessiva é um tipo de estrutura que realiza várias conexões através de pensamentos ritualísticos na tentativa de retirar da consciência algumas representações que foram conflituosas em determinado momento da vida do sujeito. Desse modo, o indivíduo cria uma série de estratégias ou pensamentos obsessivos a fim de lidar com essa situação de forma mais tolerável. O debate empreendido tem a finalidade de apontar qual a função da psicanálise no manejo com o sujeito obsessivo, identificando que a psicanálise pretende fazer o indivíduo falar sobre suas demandas, a fim de que este possa ressignificar o afeto mal elaborado.

FREUD, S. (1909/1996). Análise de uma fobia em um menino de cinco anos. In: FREUD, S. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. v. 10. Rio de Janeiro: Imago, 1990, p. 11-154.

FREUD, S.(1894/1996) As neuropsicoses de defesa: tentativa de uma formulação de uma teoriada histeria adquirida, de muitas fobias e obsessões de certas psicoses alucinatórias. In:____________. Edição standard das Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Vol. VII. Rio de Janeiro: Editora Imago, 1996.

GOMES, A.A et al. Algumas questões relativas à neurose obsessiva. Disponível em:http://www.unilestemg.br/kaleidoscopio/artigos/volume1/Algumas%20questoes%20relativas%20a%20neurose%20obsessiva%20(FINOTTI_GOMES_MIRANDA_PEDROSA_SOUZA).pdf. Acesso em 14 de Dezembro de 2013.

SUAREZ, E.S. O homem dos ratos. Opção Lacaniana online nova série. Ano 2. Nº 5. Julho 2011.

Tags: