Como a psicanálise cristã pode te ajudar

Comments 0 by in Artigo
November 26, 2014
Como a psicanálise cristã pode te ajudar

QUAL É O OBJETIVO DA VIDA?

Psicanálise CristãEssa é a grande pergunta que se faz hoje em dia, mas não sabemos mais a resposta. Digo que não sabemos mais, pois a noção de espiritualidade está sendo arrancada de dentro de nós. Estamos em um processo claro de descristianização, e com isso, todas as respostas óbvias que o cristianismo nos dava, se esvairam. O objetivo da vida, é nos preparar para quando a hora da nossa morte chegar, sermos capazes de aceitar uma realidade espiritual onde só o bem existe. Se não conseguirmos isso, seremos descartados para um lugar onde nenhum bem existe, que é puro sofrimento, pois não teremos mais como vivenciar o bem. Temos que aprender a enxergar as nossas falhas, e a partir dessa consciência, construir um caráter ou personalidade digno de Deus. Isso se consegue anulando a nossa vontade, e a substituindo pela vontade divina. Fazemos isso através da oração, rituais, e da eucaristia, que tem como único objetivo diminuir a nossa arrogância diante do divino, nos trazendo para o amor de Deus.

O OBJETIVO DA PSICANÁLISE CRISTÃ.

Por isso, a psicanálise cristã, tem esse objetivo. O de ajudar a igreja católica cristã, na sua missão de orientar as pessoas nesse objetivo de salvação. A linguagem psicanalítica pode ser útil no esclarecimento da percepção da nossa consciência sobre as nossas falhas. Por exemplo, a psicanálise pode explicar o processo de projeção que as pessoas fazem, ao ver no próximo os problemas que são dele. Isso a igreja não tem como fazer, e essa percepção ajuda as pessoas a se tornarem cientes de seus problemas e a resolvê-los. Mas essa consciência só tem valor real, se unida ao cristianismo e à igreja católica. Essa afirmação se mostra verdadeira, pois apesar da pretensão da psicanálise afirmar que cura ou melhora a vida das pessoas, essa cura ou melhora de uma pessoa, só se dá através da prática religiosa séria. A psicanálise pode mostrar vários defeitos e problemas que uma pessoa apresenta, mas ela não reúne forças suficiente, como o próprio Freud afirmava, para vencer a má vontade, ou vontade deturpada de uma pessoa, pois essa atitude envolve uma espirtualidade negativa muito forte. Nós só conseguimos melhorar a nossa atitude, através de um envolvimento com uma espirutalidade positiva, que aos poucos, nos vai tirando de nossas atitudes patológicas, e vai clareando a nossa compreensão sobre a vida, e essa é a verdadeira consciência, aquela que só surge quando praticamos o verdadeiro amor, e percebemos na alma os nossos verdadeiros problemas diante de Deus. Por isso, o nome de psicanálise cristã.É a união da linguagem psicanalítica e sua compreensão dos processos patológicos que nos afetam, com a atitude religiosa séria, que vai tirar a pessoa dos seus sofrimentos.É diferente do que já se fez no passado, onde psicanalistas se utilizam das noções cristãs para interpretar os seus pacientes, mas não colocam a cura no desenvolvimento da espiritualidade, através de uma atitude religiosa séria. Eles colocam a cura no próprio processo psicanalítico, o que é uma falácia. O psicanalista indica o caminho, aproxima o paciente do espirtual, mas a espirtualidade só se consegue da forma que Cristo indicou, e não da forma como a psicanálise desenvolveu.

É através do auto conhecimento e da busca da humildade diante de Deus, que conseguimos construir em nós mesmos, um ser realmente digno. Precisamos saber primeiro como somos realmente, pois não sabemos, para depois nos modelar de acordo com a vontade divina.A religião não precisa da psicanálise, mas a psicanálise precisa da religião para ajudar as pessoas a tomarem um caminho correto para a realidade. A psicanálise aqui, é usada como uma forma de facilitar a compreensão dos nossos problemas, e ajudar as pessoas em seu caminho direto ao bem, ou à sanidade ou à santidade. Ela se torna útil, ao mostrar a atitude negativa que uma pessoa está tomando em sua vida, e a induzir a ter uma vida religiosa séria. A psicanálise deve induzir as pessoas a se preocuparem com a sua vida espiritual, mas em nenhum momento ela é capaz de curar as pessoas. Ela torna as pessoas cientes de seus problemas, mas isso não é o suficiente.

Nesta página, faremos um apanhado de como devemos encarar nossos erros de atitude, e com isso, ganhar uma paz espiritual muito grande. Tudo o que eu estou escrevendo aqui, é baseado no cristianismo, que tem como fonte a bíblia, a igreja católica que é uma igreja séria, na psicanálise desenvolvida pelo professor Norberto Keppe, que tem como base a psicagoglogia e as aparições de Nossa Senhora ao longo da história. Ela já apareceu inúmeras vezes, aqui na terra, e deixou milhares de conselhos e advertências que nos dão um caminho a ser seguido. E em todos os meus escritos, procuro sempre basear minhas idéias em suas sentenças, que não são poucas, para que eu possa errar o mínimo possível. Nós humanos, somos passíveis de errar, mas para ela errar é impossível.

A psicanálise integral foi desenvolvida pelo professor Norberto Keppe, onde faz uma interpretação da psiquê humana, como reflexo direto da espiritualidade humana. Ele afirma em seus trabalhos, que todos os problemas psíquicos começam no espiritual e terminam no material. Ele teve o mérito de trilhar o caminho inverso feito por Freud, e introduzir a espiritualidade na psicanálise, junto com outros pioneiros. Enquanto Freud afastou suas interpretações o máximo possível da idéia de espirtualidade, e afirmava que somos movidos por impulsos, o professor Norberto Keppe, introduziu toda a doutrina cristã na psicanálise, e com isso conseguiu bons resultados. O professor possuía uma incrível intuição no seu trabalho de análise, percebendo quais as interpretações que realmente ajudavam o ser humano, e baseando-se no cristianismo e na filosofia em geral, fez um corpo teórico muito interessante.O grande defeito de seu trabalho, é ter se afastado da religião e subtituí-la pelo método científico. Esse é o gande defeito das psicoterapias em geral. Ele é um dos homens mais inteligentes que conheci, e possuía uma disciplina científica fora do comum. Mas o que lhe faltou foi uma cultura mais ampla, onde colocou a igreja católica como uma coisa a ser superada. Quando vemos seus livros afirmarem que a igreja católica matou milhões de pessoas, que a era das trevas foi provocada pela igreja, e que o iluminismo veio salvar a humanidade, mostra aonde seu trabalho pecou. A mortandade da igreja católica em cinco séculos, em vários episódios, foi de 30000 a 50000 pessoas. Um grande equívoco com certeza, e é um pecado que a igreja deve se penitenciar eternamente. Mas temos que ter em conta, que a igreja se misturava com o governo, ela era governo também, e muitas decisões foram tomadas em nome do estado, e não em nome da igreja. O período de trevas que é atribuído à igreja, na verdade deve ser colocado a culpa nas invasões tanto bárbaras como árabes. Se não fosse a igreja, não existirianem a sociedade ocidental, que protegeu a bíblia, e desenvolveu as bases de toda a sociedade do ocidente. Quando se abandonou a filosofia escolástica, em nome de uma filosofia mais moderna, começou um processo de decadência filosófica, que desembocou na nossa filosofia moderna, onde não identificamos mais a realidade. Então ao contrário que o professor defende, cadaceu1houve um processo de decadência, com os iluministas, e falar que a ciência surgiu com eles, também é uma grande mentira. Os maiores matemáticos, astrônomos e pesquisadores, grandes invenções foram feitas todas dentro da igreja. Como ela perdeu a importância com o passar do tempo, os cientistas substituíram os religiosos pesquisadores, e passaram a ter a autoridade, que antes era dos religiosos. Mas quem quer ter sua vida comandada por um cientista? eu pelo menos não quero. E esse foi o grande erro do professor, e acabou montando uma psicanálise com bases no cristianismo, sem a presença da religião, acabou montando um processo psicanalítico intolerável, onde os erros das pessoas são apontados a cada segundo, e as pessoas acabam se sentindo acuadas, é acabou montado o próprio inferno aqui na terra. E o pior de tudo, é que não adianta nada.

Ele adotou, e toda a psicanálise é baseada nisso, em uma espécie de pelagianismo. Pelágio afirmava que Cristo deu o exemplo, e que nós somos capazes de resolver nossos problemas sozinhos, sem a ajuda de Deus. Basta conhecer, para mudarmos de atitude, ou vencendo a censura da consciência, todos os problemas psicológicos são resolvidos. Mas não é isso que se verifica. E através dessa libertação, o paraíso seria restaurado aqui na terra.Mas quem sempre promete a felicidade absoluta aqui na terra, é o demônio e não deus. Nós vivemos em um mundo angustiante e imperfeito, mas como não suportamos isso, buscamos a felicidade aqui na terra mesmo, nos afastando do conforto de deus. Trocamos deus por uma ilusão de paraíso, mas nunca conseguimos alcançá-lo pelo fato de ser impossível. Então quando vemos seus livros, vemos que eles passam uma idéia de que as doenças, o problema econômico e acidentes serão resolvidos, bastando para isso conhecer a verdade. A verdade o libertará. Mas é a liberdade integral, ou seja, saber do problema, do quanto contribuímos para nos destruir é importante, mas precisamos desesperadamente da ajuda de Deus para resolvê-lo. O mal é mais forte do que nós. Por isso, você lê na capa dos seus livros, que muitas pessoas sararam de doenças físicas somente lendo o livro. A idéia é que ao ler o seu livro, você tomará consciência da verdade, e se livrará do mal. Pobre pretenção. Com essa idéia, que é baseada na arrogância humana diante de deus, é óbvio que ele descartou a religião. Para ele, o processo que ele criou, superou a religião, e por isso, ela se torna, na mente dele, um processo desnecessário. Satanás deve ter adorado a teoria dele. Segundo ele, não é mais Cristo que salva através da igreja, mas é o psicanalista que salva através da psicanálise. Dava para se mais herege? Impossível.

Para se melhorar a atitude de uma pessoa, ela tem que viver o bem, por isso a religião é fundamental para que uma pessoa melhore de atitude. Viver somente os seus erros 24 horas por dia como propões a psicanálise integral, leva a pessoa a uma espécie de psicose, onde ela só pensa nisso, e vive o mal o tempo todo e esquece que o importante é tentar se aproximar do amor de Deus. As pessoas que fazem essa psicanálise que são mais sãs acabam saindo, ficando somente pessoas maníacas dependentes. Os erros devem ser apontados, mas de forma leve e a preocupação da pessoa deve ser viver o bem de Deus através da religião. Cristo mostrou o caminho para atingi-lo, que é através da igreja e da procura do amor. A história da igreja, é antes de mais nada, a história do amor de Deus. E querer inventar um processo que substitua a igreja, é atender os desejos de satanás. Se o professor tivesse percebido o seu equívoco, e usado o seu trabalho para unir a percepção psicanalítica com a igreja, ele teria executado um trabalho perfeito.

O que diferencia o meu trabalho do dele, é a metodologia de aplicação da teoria, em que ao meu ver, ele se equivocou completamente. Ele como psicanalista puro, aplicou o método freudiano de análise, do divã, olhando para a parede, onde ao longo de anos a fio, teoricamente você conseguiria expandir a sua consciência sobre si mesmo, até um ponto onde você se tornaria senhor de si mesmo, controlando todos os seus problemas. Mas não é esse o resultado que se consegue. A prática mostrou que isso não se verifica. As psicoterapias, não conseguem vencer sozinhas a censura das pessoas. A idéia de que vencendo a censura que o paciente faz sobre a visão de seus erros a pessoa melhora, é falsa, e o processo terapêutico não tem essa capacidade.Vencer a censura do paciente é somente o primeiro passo. Quantas vezes, escutamos de pessoas que fazem análise por muito tempo, afirmar que sabem quais são seus problemas, mas não conseguem mudar de atitude. Quer dizer que estão conscientes de sua patologia, mas não conseguem reunir forças para um mudança de atitude. Isso acontece pelo fato de a análise ser teórica, e só na prática do amor puro, que se consegue mudar de atitude. Quando adotamos uma atitude religiosa, nós estamos praticando o amor, nos envolvendo com ele na realidade, e isso nos aproxima do amor divino, nos preenchendo com ele, nos dando forças para sairmos de nossas fantasias e e loucuras. Por isso, Freud não curou ninguém, e por isso, até hoje, a melhora de atitude que se consegue dentro da análise é sempre pífia.A cura sempre termina em uma prática religiosa HONESTA. Quem vai à igreja para se achar santo, e se louvar, em vez de louvar o amor divino, só piora a sua situação. Vai na igreja para reforçar a sua arrogância, e não a sua humildade. Vejam o que Nossa senhora fala em uma de suas aparições :

“” O arrependimento é o primeiro passo a ser dado no caminho da conversão.” – Nossa senhora, Anguera, Bahia, Brasil.

Nessa frase, nossa senhora mostra que só perceber os erros, não é o suficiente, como faz a psicoterapia. O processo para a conversão se inicia na percepção dos erros, passa pelo arrependimento, depois tem que caminhar para uma troca de atitude, que é a verdadeira conversão. Se converter, passa por um processo interior, que tem necessariamente, desembocar em uma atitude exterior, de mudança de atitude, e isso só se consegue com uma prática religiosa intensa, para que a sua espiritualidade vá melhorando, a sua censura vá diminuindo, e você consiga se sentir melhor, e o seu vazio interior vá se preenchendo com o amor divino.

A ARROGÂNCIA HUMANA DIANTE DE DEUS.
São tomás de Aquino, teólogo cristão do século XIII, afirmou que a mãe de todos os erros, é a arrogância. É dessa atitude, que todos os erros que cometemos, surgem. É dessa atitude, que o mal se instala dentro de nós, e nos leva à perdição. Nós seres humanos, vivemos em um mundo material, mas vivemos inseridos também em uma mundo espiritual incrível. A mesma energia que cria o material, é a mesma que cria o espiritual. E essa espiritualidade aparece em todos os aspectos da nossa vida, e se manifesta de várias formas. E a principal manifestação espiritual é o sentimento de amor. Amor é a base que sustenta todo o universo, e se manifesta dentro de nós. Podemos defini-lo como um sentimento de bem querer, de desejar o melhor, de bondade. Mas se prestarmos atenção, veremos que não existe palavras suficientes para compreendê-lo. Deus é o sentimento de amor, e não um ser que tem amor. Amar, antes de mais nada, é agir no bem, é praticar a virtude, é agir virtuosamente. Não tem como separar ação virtuosa de amor. Por isso, as pessoas que acreditam em Cristo, mas acham que não precisam praticar a virtude, estão se enganando. Elas vivem o ódio, e não o amor.

Quando tomamos uma atitude de arrogância em relação a deus, nós nos recusamos a nos submeter à vontade dele, a de nos sujeitar a esse amor, que incute uma vontade de bem querer dentro de nós. Deus é a propria realidade, quanto mais próximo de Deus mais sãos nos tornamos. Quando vemos a realidade, que já vem pronta, com seus valores já impregnados em nós através do amor divino, em nosso espírito, e não aceitamos esses valores se manifestando dentro de nós, estamos desafiando a realidade, ou seja, Deus. Então a arrogância que nos destrói, é essa rejeição direta que fazemos a deus em nosso interior, e que posteriormente se manifesta nas nossas atitudes sociais. É o nosso NÃO a deus e a seus valores. Por exemplo, todos nós sabemos como é importante o trabalho, e como ele nos preenche a nossa alma. Esse valor do trabalho é intrínseco a nós, e nasce com a gente. É um valor auto evidente. Mas através da nossa atitude de arrogância, nós recusamos a aceitar o valor do trabalho, e começamos a achá-lo cansativo, chato ou coisa de gente bitolada e sem graça. O que eu acabei de mostrar, é como nós recusamos o valores divinos que se manifestam em nós, ou melhor, a vontade divina e através da nossa arrogância, recusamos esse valor e o trocamos pela atitude de preguiça. E assim, nós nos distanciamos de deus ou da realidade.

O melhor antídoto para a nossa arrogância, sem dúvida nenhuma é a prática da humildade, e não há melhor lugar para você praticar a sua humildade, do que na igreja católica. Quando nós procuramos nos aproximar dele, da forma que cristo explicou, orando, jejuando, lendo a bíblia, indo à missa, praticando o amor, comungando, nós estamos justamente lutando contra a nossa arrogânica. Por isso, a humildade é, ou deveria ser, a marca da igreja católica. É lá que você luta contra a própria arrogância, e se aproxima da realidade, se tornando uma pessoa mais sã. Quanto mais próximos de Deus, mais sãos nós ficamos. Qualquer coisa fora disso, como psicoterapias alienantes, relaxamentos, repetir mantras, isensos, entre outras atitudes, só desvia a pessoa da chance de se aproximar da realidade.

Temos que perceber, que a igreja é feita e conduzida com pessoas iguais a nós, que agem de forma tão erráticas quanto nós. Então quando formos à igreja, devemos procurar deus dentro dela, e entender e perdoar os defeitos de quem a conduz. Não podemos cair no conto do vigário de satanás, onde ele se aproveita os escândalos que as pessoas cometem dentro das igrejas, para destruí-la. Se concordarmos com isso, nós estamos nos condenando também, pois cristo disse, que a única forma de nos salvarmos é através dela, e a salvação fora dela, se torna muito difícil. Se a condenarmos, e não quisermos mais frequentá-la, estamos nos condenando também.

Então podemos perceber, que a cura para qualquer mal estar que temos psicológico, ou espiritual, é sempre buscar a prática do amor. Temos que praticar o amor no dia a dia, através de atitudes virtuosas, como bondade, leveza de espírito, honestidade, esforço, temperança, temos que carregar o perdão dentro de nós, sempre dispostos a ajudar. E temos que praticar a humildade, na igreja como Cristo nos ensinou.

A INVEJA DE DEUS.
Quando nós tomamos uma atitude de arrogância, nós automaticamente entramos em uma atitude de ódio, pois se deus é o amor puro e o rejeitamos, estamos rejeitando o sentimento de amor, e entramos em uma atitude de ódio automaticamente. E nada nos cega mais, do que o ódio. Ele pode ser definido como uma rejeição a deus, devido à arrogância. A partir daí, começamos a querer destruir todos os valores que enxergamos, relacionados a deus.Isso se chama inveja. Como começamos a não aceitar os valores auto evidentes para nós, começamos a substituí-los por outros, que não são os dados por deus. Então em vez de ver honestidade como algo valoroso, começamos a enxergá-lo como algo que nos prejudica, ou coisa de otário. Substituímos a temperança pela gula, a bondade pela raiva, o trabalho pela preguiça, a calma pela raiva, a generosidade pela ganância, a alegria pela tristeza.Não suportamos nada de bom, como por exemplo, quando queremos destruir uma pessoa, ou ficamos com raiva quando ela consegue coisas boas e você não, na verdade nós não estamos suportando o bem que estamos enxergando, e intimamente nós identificamos o bem divino. Esse processo foi chamado de inversão de valores. Através da arrogância negamos os valores intrínsecos das atitudes, e as invertemos, e passamos a atacar o bem.

Então começamos a ver no trabalho algo chato, no honestidade um fraqueza, na alegria algo prejudicial, na bondade um ato de fragilidade, na temprança algo sem graça, e vemos no consumo de substânicias algo divertido, na preguiça algo engraçado, na desonestidade algo muito positivo e sem consequencias, e agressividade algo poderoso, e assim vai. É assim que o mal se instala dentro de nós, e à medida que vamos cultuando essas atitudes, fica cada vez mais difícil sair delas, até não suportarmos mais a presença divina.

O exemplo que podemos dar da bíblia, é de Cristo que chegou perto de um ser que foi possesso por espíritos, e quando o louco o vê, se contorce todo e pergunta para Cristo porque ele o torturava daquele jeito? Mas a resposta é bastante simples. Não é Cristo que o estava torturando, mas os demônios que estavam dentro daquele ser, inverteram tanto os seus valores internos devido à sua extrema arrogância, que viam em Cristo, algo que os prejudiva imensamente. E todos nós, sem excessão, temos esse tipo de atitude em relação a Cristo. Em maior ou menor grau.

O NARCISISMO.
Depois de negarmos a autoridade de deus, e entrarmos em um ódio pessoal contra Deus, nós negamos todo o valor dele, e começamos a atribuir todo o valor dele a nós mesmos. É a suprema inversão de valores. E isso se chama narcisismo. Não é só uma adoração ao corpo, mas um adoração a si mesmo, como divindade. E esse é o processo da loucura humana. Todos os processos humanos envolvem arrogância, inveja e narcisismo. Esse processo nos leva a uma decadência como seres humanos, se tornando um círculo vicioso. Primeiro nós tomamos uma atitude de arrogância contra deus, essa arrogância nos leva ao ódio a ele, pois ele é o amor puro, desse ódio nós invertemos todos os valores auto-evidentes para nós. Após isso, nós começamos a atacar o bem, em um atitude de inveja, destruindo tudo de bom em nossas vidas e na dos outros. E a suprema inversão, é quando deixamos de enxergar deus como deus, e começamos a nos exergar como uma espécie de deus. E esse narcisimo, só reforça a nossa arrogância, nos fazendo entrar em um círculo vicioso sem fim. E à medida que nos aprofundamos nessa atitude, chegamos a um ponto em que não conseguimos sair de tanto ódio a deus, nos condenando eternamente.É assim que o mal se instala em nós.

Muitas revoltas humanas, são calcadas nesse processo. Por exemplo, o comunismo, que pretende estabelecer uma sociedade sem Deus, onde o homem é o centro da sociedade, está calcada nesse processo. Ele surge da arrogância contra deus, E NÃO ACEITA se submeter à sua vontade, e quer impor a própria vontade, com valores próprios diferentes do de Deus. Depois descamba na inveja que é a destruição dos valores cristãos e foi onde surgiu o marxismo cultural, e termina no narcisismo, onde coloca o homem(estado) como centro da sociedade, assumindo um papel de substituto de Deus.

A partir desse processo de decadência, todas as patologias e sociopatologias humanas surgem. Compulsões alimentares e sexuais, obsessões, delírios, neuroses, psicoses, pensamentos obsessivos, stress, manias, timidez, agressividade, comunismo, falências, socialismo, revoltas, ditaduras e tantas outras atitudes que nos atormentam. Mas podemos resumir todas elas em uma, que é a tentativa do ser humano destruir Deus. Somos semelhantes aos demônios, que optaram pelo mal absoluto, e com isso, o único resultado que conseguimos, é o nosso próprio sofrimento. Por isso, a nossa sociedade sofre uma incrível influência de lúcifer e de seus seguidores. Eles que mandam no mundo, e não deus, como ele mesmo afirmava.

Recapitulando, devido à arrogância, nós invertemos os valores da vida. Vemos no mal um bem, e no bem um mal. Por exemplo, preferimos ficar na preguiça ao trabalhar ou estudar. Preferimos fantasiar, a ficarmos concentrados na realidade. Preferimos agredir, a sermos humildes. Preferimos trair ao invés de sermos francos ou honestos. Preferimos coisas que sabidamente nos prejudicam, ao invés de buscarmos coisas saudáveis para a nossa vida. Essa inversão de valores, vem diretamente da arrogância que temos em relação a deus. Queremos que a realidade seja como nós a imaginamos, e não aceitamos a realidade como ela é. Ela já vem pronta, e não precisamos criá-la, mas não aceitamos isso. E para desinvertermos as nossas percepções, precisamos perceber nossos erros diante de deus. O começo da conversão(que nada mais é do que uma desinversão de valores) passa pela percepção e arrependimento dos nossos erro. Depois devemos agir sobre o erro, tomando atitudes contrárias às que você tomou até àquele dia. Por exemplo, se eu sou agressivo, devo perceber primeiro que sou agressivo, e tentar sentir a culpa por essas atitudes. Depois devemos tomar atitudes de mais tranquilidade e amor, e aí sim, você se converteu. Só assim atingiremos um alto grau de sanidade.A partir daí podemos concluir :
– Só ama a Deus, quem percebe que o odeia.
– Só trabalha, quem percebe a própria preguiça.
– Só é honesto, quem porcura dentro de si, a própria desonestidade.
– Só é bom, quem percebe que é mal.
– Só é algre, quem percebe o quanto luta para se entristecer.
– Só vive bem, quem vê que gosta de dstruir tudo que tem de bom em sua vida.

Resumindo, só vive bem, quem busca dentro de si a consciência de seus erros ou pecados, sente o remorso, e vai em busca da conversão, através de uma atitude mais amorosa, com uma prática religiosa verdadeira. Então a suprema prática do bem, se dá na prática religiosa, e que acaba se refletindo em toda a sua vida. QUEM PRATICA O BEM AO PRÓXIMO, MAS NÃO TEM UMA PRÁTICA RELIGIOSA, SE TORNA UM SER SEM AMOR, POIS A MENOR DISTÂNCIA DO AMOR DIVINO, ESTÁ NA IGREJA.

A PSICANÁLISE CRISTÃ.
A idéia de que a psicanálise pode resolver todos os problemas do ser humano, é uma grande falácia. Ela não consegue tal façanha, apesar das afirmações dos psicoterapeutas. Ao contrário do eles pensam, ela atua de uma forma muito superficial no ser humano, e só consegue mudar alguns leves aspectos sobre a personalidade das pessoas,e isso só depois de muita análise. Nós temos de perceber, que a psicoterapia em geral deixa muito a desejar, e está faltando um elemento essencial, para que se consiga tal mudança. E esse elemento é a religião. Psicoterapia sem religião, é o mesmo que nada. A terapia seria a teoria, onde mostra os nossos defeitos perante deus, nos dá consciência e nos indica o caminho a ser tomado. A religião é a prática do amor. É onde você pode expressar e praticar todo o seu amor a deus. Quando você faz isso, se esforçando para amar a deus, mostrando seus erros diante dele, procurando tomar uma atitude melhor perante ele, você se enche de amor. Quando você só faz a psicoterapia, você está se informando, mas não está se enchendo de amor. Na religião, quando você aprende a amar Cristo, você na verdade, está aprendendo a amar o amor. Está se enchendo desse sentimento, e está se curando espiritualmente. Quando você busca o amor em Cristo, você também tem consciência de seus enganos, e começa a se corrigir. A psicoterapia, como o próprio Freud reconheceu, não reúne forças para vencer a censura que o paciente tem, em ver seus próprios problemas. Isso acontece, porque estamos cercados por uma espiritualidade negativa atuante, que impede que vejamos os nossos erros. Isso só acontece, porque nos permitimos envolver nessa espiritualidade negativa, pois vemos vantagens nela.Mas para sairmos dela, precisamos de uma ajuda externa, que só se consegue através da religião. Á medida que nos envolvemos com ela, com a maior honestidade possível, a visão dos nossos erros, vão se tornando leves, e com uma maior consciência ou epiritualidade, sua vida melhora e muito.

Hoje, se busca no terapeuta, o que só se consegue através de deus. É uma incrível pretensão do ser humano, querer ajudar o outro, sem incluir deus. E os terapeutas acreditam tanto nisso, que buscam cercar o paciente, como se o terapeuta fosse dar o conforto, que só deus pode dar. Hoje se escuta muito, pessoas que não estão se sentindo bem consigo mesmas, falarem que vão procurar um psicólogo. Não façam isso. Primeiro busquem a deus, e depois busquem uma ajuda de um profissional bom, por mais raro que seja.

Os defeitos mais graves que podemos visualizar nas psicoterapias, podem ser inumeradas da seguinte forma :
– a psicologia moderna aboliu qualquer forma de espiritualidade. Afirmam que religião e deus são meras crendices sociais, que só servem para dar algum conforto. Uma invenção, sem base na realidade.Eles se utilizam de um materialismo absoluto. E a arrogância humana aparece como nunca nesses psicoterapeutas, pois não é mais quem nos criou, mas somos nós que criou deus em nossas mentes.Assim, eles tiram qualquer chance da pessoa se sentir melhor. E para justificar tal asneira, eles inventaram vários corpos teóricos, um pior que o outro.
– também tem a psicologia espiritualista, que utiliza da auto-religião, e afirmam que o universo vai fazer o que você quer, que é você que cria a realidade à sua volta, e para isso tem que usar técnicas como pensamento positivo, repetir frases positivas, entre outras asneiras. Mas a linguagem e o pensamento, fazem parte da realidade. Eles não criam a realidade, mas estão inseridas na realidade. Então você está com mil problemas, e fica repetindo frases positivas, imaginando uma luz positiva em torno de si,e o resultado é simplesmente nulo. O único que pode mudar a sua realidade, e o único que tem poder para isso, é deus. Na verdade, essa religião da nova era, nada mais é, que um desafio direto a deus,onde atribuímos a nós, um poder que só deus tem. E isso é satanismo.

– As psicoterapias que tentam ser mais honestas com a realidade, ainda não conseguem resolver o problema humano. Elas viciam as pessoas na própria psicoterapia, e induzem as pessoas a entrar em um estado de interpretose crônica. Os pacientes se alienam, se interpretando e interpretando os outros. O analista se sente importante, pois o procuram, mediante pagamento, para resolver os seus problemas. Os analistas normalmente são muito ciumentos. Possuem um narcisismo incrível, e uma arrogância à prova de balas. Eles começam a acreditar na própria fantasia de que eles são os doadores do bem, e não admitem nada além do que eles próprio falam. Quando os alunos de Freud alertaram ele de que estava exagerando na questão sexual, ele não quis saber. O duro, é ver gente defendendo as primeiras idéias de Freud, sem nenhuma espécie de revisão.

– Quando o analista acha que pode curar todos os problemas do outro, e alimenta a dependência de seus pacientes em relação a ele, como se ele fosse um substituto de cristo, na verdade, está impedindo de que o paciente se aproxime de deus, e tenha uma mudança significativa em sua vida. Nossa senhora, avisa que quando falarmos de deus, temos que fazer o possível para não chamar-mos a atenção para nós mesmos. Quando fazemos isso, atrapalhamos a percepção das pessoas para deus. O oposto que os analistas fazem.

– O que nós seres humanos podemos fazer pelo próximo é muito pouco, mas o que deus pode fazer por nós, é infinito.

– O grande problema de toda psicoterapia, como o próprio Freud reconhecia, é que ela não reúne as forças necessárias para superar as resistências à visão dos erros diante de Deus(pecados) dos pacientes.E sem essa percepção, não existe uma melhora. Melhorar, é tomar uma atitude mais próxima do amor divino. Lógico que Freud não conseguiu curar ninguém, com a sua teoria sobre a sexualidade, que alguns imbecis ainda conseguem adotar em seus tratamentos. O que ele não percebeu, já que ele era materialista, é que essa censura, vem DIRETAMENTE da espiritualidade humana, como nossa senhora deixa bem claro. Não temos como vencê-la sem a intervenção dela. Por isso, psicoterapia adiantam muito pouco. Por isso o ser humano pode fazer muito pouco pelos seus semelhantes, e a diminuição da censura da visão dos nossos erros, só se dá através de um envolvimento em uma espiritualidade boa, através dela.

– A análise com o tempo, e sua mania interpretativa, seca o amor das pessoas, destruindo todo o sentimento que existia nela. Como ela se vê como um substituto científico para a religião, coloca na cabeça dos seus pacientes que através do tratamento psicanalítico, vai resolver todos os seus problemas. Com essa atitude, onde as pessoas são induzidas a procurar o analista em vez da religião, as pessoas vão perdendo contato com a vivência do amor, que só se encontra na religião, e se tornam maníacos dependentes. As pessoas que fazem análise, e não são muito desequilibradas, logo percebem a arapuca em que estão se metendo, logo saem do tratamente. E não pense que isso é fácil. O analista o acusará de todas as doenças possíveis, afirmará que você está rejeitando o tratamento, que sem ele, qualquer resquício de sanidade sumirá de dentro de você, que sem ele, a sua vida estará perdida. Os psicanalistas, são a prova viva, de que o ser humano, é desequilibrado demais para ser analista de outro. No começo até ajuda, mas não demora muito, para ele despeje toda a sua raiva e loucura em cima do paciente. O máximo que um analista consegue, é transformar o paciente num louco igual a ele.

– A interpretose psicanalítica se torna mais importante que a indução da pessoa à prática de ATOS ligados ao amor(afeto). É óbvio, que para se praticar o bem, temos que ter um contato direto com os nossos erros, não tem como separar os dois. Mas é no tratamento psicanalítico que isso peca. O psicanalista se encanta tanto com o seu método de cura, que esquece que a intenção de mostrar os erros ao seu paciente, é induzi-lo a praticar o bem. E aos poucos vai levando suas pobres vítimas à uma arapuca interpretativa, que NÃO RESOLVE NADA. Com isso, percebemos que não precisamos de grandes teorias interpretativas, que já existe aos milhares. Basta usar seu bom senso, e ver atitudes não condizentes com a MORAL CRISTÃ, e mostrar para a pessoa o que ela está fazendo, que devido à censura dela, não percebe, e induzi-la à uma atitude moralmente elevada. É exatamente o que a religião honesta faz.

É nesse pequeno detalhe, e aí vemos a importância relativa de se mostrar todos os problemas de uma pessoa, que uma psicanálise científica pode ajudar. Resumindo : não está se sentindo bem, vá fazer algo produtivo e bom. Veja o caso famoso de uma paciente de Freud, Ana O.. Ela fez análise de interpretação freudiana, com o próprio Freud, durante anos. Sofria de histeria, e era uma pessoa bastante perturbada. Freud propagandeou, para todo mundo, que ele a havia curado. Mas foi uma grande mentira dele. Na verdade, depois que ela abandonou o tratamento, ela foi internada em santatórios mais tres vezes. Alguns anos depois, ela começou a se preocupar com trabalhos sociais, e acabou se tornando ativa e produtiva. Aí seus sintomas melhoraram. Quer dizer, quem curou ela, foi ELA MESMA, ao PRATICAR A VIRTUDE. As interpretações, foram uma incrível perda de tempo, pois não a induziam à virtude e nem ao amor.Quando praticamos a virtude, estamos nos ligando a deus, ao seus amor, e nos sentimos melhor. Interpretar, só se for para melhorar a sua atitude. Então a moral cristã, antes de mais nada, é a cura para os nossos males.

Mas podemos praticar o bem sem o amor devido. Por isso, a ação virtuosa, tem que vir cheia de sentimento de amor, que só conseguimos através de cristo, e só nos conectamos a ele através da religião. Conheço pessoas que trabalham o dia inteiro em um estado de raiva incrível. Está sendo virtuoso, mas está agindo sem amor, dentro de uma visão invertida do trabalho. Se torna uma casca de nós, vazia por dentro.Socialmente ela é até legal, mas por dentro ela está sofrendo. Nesse caso, a pessoa não está usufruindo do bem que pratica, tem uma atitude espiritual melhor, mas está longe de ser feliz. E conheço pessoas que vão sempre à igreja, mas não fazem nada de bom. Essa pessoa é muito pior, pois não vai à igreja para louvar a deus, mas vai lá, para louvar a si mesmo. É a famosa pessoa hipócrita, que cristo tanto rejeitava. Essa sofre muito mais, que a pessoa virtuosa sem deus.

resumindo, todas as teorias malucas psicanalíticas criadas pelo homem, são um desvio da verdadeira cura. Acredite, ninguém tem inveja de pênis, e não somos como ratos de laboratório. Você conhece algum rato, que morreria por amor ao próximo?

Por que se chama psicanálise cristã ? Essa psicanálise, é uma tentativa de repetir a atitude de Nossa Senhora, com os nossos semelhantes. Ela quando aparece para nós sempre busca :

– Mostrar os erros que cometemos, diante de deus.

– Sempre pede para buscarmos deus na igreja, e respeitar os sacramentos da igreja.

– Sempre mostra um amor incondicional a nós.

– Não cobra nada para fazer isso.

– Nos alerta que depois da morte, podemos ser condenados. Isso cria em nós, um temor saudável, nos obrigando a pensar nos nossos erros. Bem diferente da idéia que se tem hoje, de que o inferno não existe.

– Nos explica as verdades de deus. Nos mostra a importância de se ter deus no coração.

– Nos induz à uma atitude virtuosa, de santidade.

– Pede incessantemente para que rezemos. Todo mundo quer fazer o bem, mas se esquecem que a atitude de maior amor que podemos ter, é a da oração.Quando oramos, percebemos a nós mesmos, aliviando a nossa censura à visão dos nossos erros, e aos poucos, a consciência do amor universal nos invade, e devagar, vamos melhorando a nossa atitude espiritual.

– O mais importante, que a Nossa Senhora não cansa de repetir, é que os problemas que nós temos, é devido à grande influência do mundo espirtual em torno de nós. Vivemos muito mais no espiritual do que no material, mas não percebemos esse processo claramente.Somos cercados por uma espiritualidade negativa muito forte em torno de nós. Ela chega a afirmar que qualquer dúvida em relação a deus, que nós temos, vem diretamente do maligno. Para resolvermos os nossos problemas, precisamos nos envolver com uma espiritualidade boa, e através dessa influência, nós conseguimos melhorar a nossa atitude. E quem propicia uma espiritualidade boa, é somente deus, e não os psicoterapeutas.(apesar deles não saberem disso).

Resumindo, a verdadeira psicóloga da humanidade é a Nossa Senhora, e se nós, quisermos realmente ajudar o próximo, temos que repetir a sua atitude em todos os aspectos, com os nossos semelhantes.

MAS QUAL SERIA A PROPOSTA DE TRATAMENTO?

Como vimos, o ser humano não tem sanidade suficiente para ser analista de outro. Quem estuda a verdadeira história de Freud, só para dar um exemplo, vê o desequilíbrio de sua personalidade. E não se iluda, todos, em maior ou menor grau, fazem o mesmo. Eu, para não ter medo de errar, encampo mais uma vez a atitude que Nossa senhora tem conosco, e proponho para melhorar a felicidade de uma pessoa, o que ela mesma propõe para nós.

1 – TEMOS QUE PERCEBER NOSSOS ERROS DIANTE DE DEUS.
Nossa senhora, frisa bem esse aspecto. Temos que perceber nossos erros, para podermos ter uma atitude verdadeira de arrependimento, e melhora de espiritualidade. Perceber as nossas atitudes, é fundamental para melhorarmos espiritualmente. Como ela diz, sem uma verdadeira confissão, não temos como entrar no reino do céu. Em suas previsões tanto em Anguera, Bahia, como em Garabandal, Espanha, ela declarou que nós, no final de toda a tribulação, seríamos obrigados a encarar os nossos erros diante de Deus, de forma individual, em uma espécie de tela mental, ou um espelho como ela fala, para sentir o mal de nossos pecados. Sem isso, é impossível a melhora espiritual. E esse é o grande problema das missas. Não tem como fazer uma missa, e individualizar os problemas de cada pessoa. Mesmo porque os nossos padres, não tem capacidade para fazer isso.
Nossa senhora, em função desse problema, pede para que nos confessemos diante do padre. Não para dar satisfação da sua vida a ninguém, mas para que a pessoa tenha momentos de reflexão sobre os seus problemas, e possa percebê-los. Mas, como a igreja virou um balaio de gatos, e não sabemos mais se o padre é um ser bom, mau, comunista ou pedófilo, Nossa senhora nos deu uma alternativa, e pede para confessarmos diante da cruz também. Nessa confissão sincera, onde você busca a visão dos seus erros, COM A LEVEZA DO AMOR DE CRISTO, aos poucos a pessoa vai se descobrindo e aprendendo a pedir perdão a deus por seus erros. O importante, é tentar enxergar os seus erros, como cristo os enxerga, com leveza e amor. Se cedermos aos nossos instintos e à espiritualidade negativa que nos cerca, vamos ver os nossos erros com muita raiva. E aí não adianta. Esse massacre que fazemos e a censura que criamos à percepção dos nossos erros, só serve aos demônios. Não precisamos ficar nos chicoteando, como alguns santos faziam antigamente. Os seres malignos que nos cercam, não querem que percebamos nada, pois se assim o fizermos, nós nos aproximamos de deus. Essa atitude que os analistas tem de ficar massacrando o paciente com seus erros, só serve ao demônio. Ver os nossos erros diante de deus, nos eleva como seres humanos, pois nos aproximamos do divino. Nos deixa leve em espírito, e nos aproxima do amor de deus. Aumenta o nosso amor, e nos conduz rumo a uma atitude espiritual correta, nos tornando seres felizes.
Para ajudar na confissão individual de cada ser humano, a psicanálise cristã vai expor o máximo de erros que cometemos internamente, em artigos, textos, e a pessoa que realmente procura deus, e quer fazer uma boa confissão, possa perceber seus pecados. Não adianta agendar análise, esse encontro não resolve praticamente nada, e com o tempo, só prejudica. Pode-se também fazer reuniões, onde atitudes doentias são explicadas, tentando levar as pessoas a uma atitude mais sã, como trabalhar e estudar, em vez de ficar assistindo tv em casa, ser afetivo com os amigos, em vez de desejar todo o mal, toda vez que é provocado, não ser tão materialista, buscar a bondade divina em tudo o que faz, e assim por diante. Talvez, nesses encontros, pode-se falar alguns defeitos pessoalmente de uma ou outra pessoa, mas de forma leve e rápida, exatamente como Nossa senhora falou que seria, na nossa conscietnização forçada, no final das grandes tribulações. Mas ela mesmo afirma que isso não é o suficiente. Tem que haver esse encontro com Deus, na igreja, para essa vivência do amor, onde percebemos a infinita bondade de Deus, para que nos conforte e nos cure.

Tags: