A Medicalização da Vida

Comments 0 by in Psicanálise
March 9, 2015
A Medicalização da Vida

Mulher-tomando-remdio1Observa-se na sociedade contemporânea uma busca desenfreada por explicações biológicas, fisiológicas e comportamentais que possam dar conta de diversos tipos de sofrimento psíquico, dentre estes, os mais frequentes são a ansiedade, estresse, depressão, síndrome do pânico, transtorno bipolar e fobias. Todos muito divulgados na mídia através de reportagens e documentários que pretendem ajudar os leigos a identificar os principais sinais e sintomas de seu mal estar, contribuindo assim para que muitos pacientes cheguem ao consultório buscando apenas uma validação da hipótese diagnóstica que obteve através de algum site.

Nesta busca por um alívio imediato dos sintomas, constata-se que cada vez mais pessoas depositam sua confiança em receitas rápidas que possam diminuir o mal estar sem se preocupar em buscar um sentido para este sofrimento. A medicalização da vida e do sofrimento tornou-se uma prática comum e na atualidade tornou-se corriqueiro ir a uma consulta e sair com uma receita em mãos. Segundo Roudinesco (2000) há um pagamento do sujeito, pois seja qual for o sintoma, sempre haverá um medicamento a ser receitado:

Cada paciente é tratado como um ser anônimo, pertencente a uma totalidade orgânica. Imerso numa massa em que todos são criados à imagem de um clone, ele vê ser-lhe receitada à mesma gama de medicamentos, seja qual for o seu sintoma. (ROUDINESCO, 2000).

O grande perigo da situação descrita acima é que se cria uma perspectiva totalizadora do ser humano, na qual se pretende atribuir todos os problemas vivenciais, emocionais a uma explicação orgânica e, especialmente, genética. Assim, difunde-se a idéia de que existe um gene que poderia explicar o alcoolismo, as doenças mentais e a infelicidade, fazendo com que hipóteses duvidosas sejam divulgadas pela mídia como fatos comprovados (Leite, 2011).

Explicar e reduzir a experiência humana através de um saber totalitário, de categorias fechadas e limitadas, CID- 10 e DSM-IV, que oferecem explicações prontas para determinados comportamentos diminui o real do sofrimento e a angústia por não saber a razão deste sofrimento. Assim, percebe-se atualmente uma grande adesão a estas formas de explicação que reduzem e até mesmo impedem o homem de construir através de uma experiência particular e subjetiva um significado para seu sofrimento. (idem).

Além da exacerbada carga medicamentosa prescrita aos adultos, uma constatação ainda mais preocupante é o aumento da medicalização da infância. Atualmente observa-se que crianças e adolescentes que apresentam comportamentos e características de personalidade que diferem dos considerados e catalogados como normais são frequentemente enquadrados em categorias nosológicas e assim rotulados como depressivos, portadores de TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e/ou Hiperatividade) ou de TDO (Transtorno Desafiador Opositor). Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), somente entre 2002 e 2006, a produção brasileira de metilfenidato, medicamento utilizado para o tratamento do TDAH cresceu 465% e as vendas saltaram quase 80% entre 2004 e 2008.

Cabe esclarecer que os psicofármacos, quando prescritos de forma criteriosa e responsável, tornam-se um importante aliado na luta contra o sofrimento humano, mas de forma alguma se deve restringir o tratamento apenas a uma resposta medicamentosa.

Na contramão destas receitas instantâneas, encontra-se a psicanálise. Há mais de cem anos, através da escuta de pacientes histéricas, Freud descobriu que os sintomas apresentados por estas pacientes não eram decorrentes de nenhuma lesão orgânica, mas que estes possuíam um sentido, um significado e estavam relacionados às experiências vivenciadas por estas pacientes.

Ainda hoje a psicanálise acredita que simplesmente extinguir o sintoma é silenciar o sujeito, pois o sintoma representa a única possibilidade encontrada por esse sujeito de expressar algo insuportável, para o qual ainda não foi possível construir nenhuma significação.

Assim, a psicanálise propõe uma experiência subjetiva na qual o sujeito construirá um significado para seu sofrimento, seu sintoma. Sua regra fundamental é a associação livre, que consiste em que o paciente fale livremente sobre seus pensamentos. Através deste método de investigação busca-se essencialmente evidenciar o significado inconsciente das palavras, das ações, das produções imaginárias (sonhos, fantasias, delírios, atos falhos) de um sujeito. Desta forma, o sujeito poderá elaborar situações traumáticas, esclarecer conflitos e ressignificar questões dolorosas.

______

 “Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. 
Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro”.
Clarice Lispector.

REIS FILHO E. Psicanálise e psicofármacos. Disponível em: <www.sedes.org.br/Departamentos/formacao_psicanalise/psicanalise_psicofarmacos.htm>. Acesso em17 de agosto de 2011.

NASIO, J.D. O livro da dor e do amor. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.

ROUDINESCO, E., Por que a Psicanálise?, Jorge Zahar Ed., 2000.

Tags: