A Busca da Felicidade e o Bem-Estar no Mundo Pós-Moderno

Comments 0 by in Psicanálise
March 10, 2015
A Busca da Felicidade e o Bem-Estar no Mundo Pós-Moderno

images (4)A busca da Felicidade torna-se quase um dever no mundo pós-moderno e obtê-la é um desejo comum a quase todas as pessoas. Ao analisar o conceito de felicidade, focando o papel da sociedade e da cultura, a psicanálise reflete como a vida em sociedade exige sacrifícios pulsionais da ordem do desejo, causando no sujeito certo mal-estar. Com isso tem-se como objetivo desenvolver uma análise sobre o tema felicidade, evidenciando as perspectivas de Sigmund Freud, correlacionando suas ideias com as de outros autores da psicologia sócio-histórica A questão norteadora indaga em que aspectos a literatura psicanalítica dos conceitos de Freud pode contribuir na compreensão sobre as perspectivas de felicidade no mundo pós-moderno. Para tanto se utiliza como método a revisão bibliográfica com leitura e análise de obras científicas (livros, artigos e revistas), obras resultantes de videoconferências e seminários. O mundo pós-moderno perpetua um ideal ilusório de completude que leva pessoas infelizes a se portarem como se fossem felizes, por meio da busca de objetos transitórios ofertados como promotores de felicidade, mascarando o desprazer. No entanto, vivenciar ou alcançar a felicidade parece ser um desejo comum a todos os seres humanos, em todas as épocas da história, sendo que cada um escolhe o meio que interpreta como sendo o mais adequado para alcançá-la. Conclui-se que a temática da felicidade, como objeto de desejo, é pouco estudada cientificamente e não existe como um conceito já pronto e acabado, abrindo espaços para novas pesquisas acerca do tema.

Palavras-chave: Consumo, Felicidade, Psicanálise, Pós-modernidade.

Introdução

Vivenciar a felicidade parece ser um desejo comum a todos os seres humanos, em todas as épocas da história, sendo que cada um escolhe o meio de vida que interpreta como sendo o mais adequado para alcançá-la.

O mundo pós-moderno é identificado em muitos aspectos por um crescente desapego nas relações interpessoais, individualismo exagerado, cultura do hedonismo e do consumismo e um desinteresse pelos fenômenos sociais, o que demarcam as subjetividades em uma realidade do consumo. Estas subjetividades, reeducadas pela velocidade das mudanças e a sobrecarga de informações do mundo pós-moderno, apresentam uma instabilidade dos desejos e uma insegurança que influem em uma busca, em um consumo constante, como forma de sustentação que lhe oferte felicidade.

A felicidade neste contexto torna-se um dever, onde diversos objetos são tomados como possibilidade para alcançá-la, perpetuando um ideal ilusório de completude numa felicidade mascarada, ou seja, ilusória, forjada em uma ideia de pronta e infinita, ressignificando valores como o amor, fé e amizade. Frente a tantos ideais novos, diversos tipos de objetos são ofertados como sendo aqueles que proporcionarão a felicidade para a atual sociedade consumista, sendo estes objetos um meio transitório de minimizar o desprazer.

O prazer é, sem dúvida, a essência básica da felicidade advinda da realização de desejos e da alegria experimentada. Contudo, nem sempre quando um sujeito experimenta prazer, através de algum objeto que investiu, sente um bem-estar, podendo esse sucesso ser algo penoso, porém mantido para que assim esse sujeito possa estar inscrito socialmente e consumindo o que os demais consomem.

Diante de tantas formas simbólicas com que o mundo pós-moderno oferta a felicidade correlacionando-a com o prazer, problematiza-se de que forma a literatura psicanalítica dos conceitos de Sigmund Freud pode contribuir na compreensão das

perspectivas de felicidade no mundo pós-moderno? Partindo desta problemática tem-se como objetivo desenvolver uma análise sobre o tema felicidade, evidenciando as perspectivas de Freud com suas possíveis aplicações, correlacionando as ideias dos autores com outros da psicologia sócio-histórica.

Pesquisar a temática da felicidade sob o olhar da psicanálise é um estudo em que, além de correlacionar as maneiras e motivos pelos quais a felicidade é buscada atualmente, com base em algumas ideias desenvolvidas por Freud, provocaria a reflexão sobre o que pode existir como fragilidades nas perspectivas atuais de felicidade, considerando a atitude de consumismo da sociedade pós-moderna.

Metodologicamente, esta pesquisa classifica-se como sendo bibliográfica, ocorrendo através de leitura e análise de obras científicas (livros, artigos e revistas), obras resultantes de videoconferências e seminários, aprofundou-se e sustentou-se teoricamente a temática da felicidade, posta em questão, com base em autores como Sigmund Freud, Leonardo Gorostiza, Eric Laurent, Zigmunt Bauman, Gilles Lipovetsky, André Lèvy et. all, além de serem disponibilizados diversos artigos em formato eletrônico e da contribuição da psicologia sócio-histórica e da filosofia, com obras que abordam algumas perspectivas filosóficas sobre a felicidade.

A fim de melhor explanar a temática proposta, este trabalho foi dividido em três capítulos. No primeiro capítulo desenvolve-se um breve estudo semântico sobre a palavra felicidade e a relação que pode ser estabelecida entre os conceitos elaborados pelos estudos filosóficos e estudos da pós-modernidade.

No segundo capítulo é abordada a influência sócio-histórica no tema da felicidade, partindo da visão de alguns filósofos, que descreveram suas interpretações sobre o que consideravam como meio adequado de se vivenciar a felicidade.

Já no terceiro capitulo retrata-se a busca da felicidade pelo viés da psicanálise, utilizando-se de algumas ideias de Sigmund Freud e alguns de seus seguidores sobre o tema; em seguida aborda-se a contribuição de autores da psicologia sócio-histórica para este estudo. Por fim explana-se sobre o mundo pós-moderno, descrevendo a forma como nossa atual sociedade está estruturada propondo-se uma reflexão na perspectiva analítica sobre a forma consumista como a felicidade é vivenciada atualmente.

Considera-se que tanto a psicanálise como a psicologia sócio-histórica se usadas separadamente para desenvolver o tema da felicidade, seriam insuficientes para tratar dessa questão no âmbito da sociedade globalizada, mas à medida que forem correlacionadas, pode-se com elas analisar alguns pontos que dizem respeito à complexidade do assunto e contribuir socialmente com o tema fomentando uma quantidade maior de estudos.

No entanto, a temática da felicidade, transformada em objeto de desejo, é pouco estudada cientificamente, existindo por diversas perspectivas socioculturais do senso comum. Com relação à psicologia e sua tarefa de auxiliar o sujeito em suas questões, considera-se relevante entender como funciona a dinâmica da felicidade atualmente; em que consiste essa felicidade e as possibilidades de alcançá-la; como ela é experienciada e se o que se denomina bem-estar é sinônimo de ser feliz; além de cultivar a invenção de novas saídas que possibilitem às pessoas serem felizes mesmo com grandes adversidades, questões que podem ser abordadas pela psicologia com base na psicanálise e psicologia sócio-histórica.

Espera-se que um trabalho de análise deste tipo possa não apenas esclarecer sobre o tema em questão, mas provocar novos questionamentos a fim de que se ampliem as pesquisas e interesse dos leitores e sujeitos implicados com essa inquietude, que é a busca pela felicidade.

1. Conceituando Felicidade

Estabeleceu-se como um ponto inicial para o desenvolvimento deste trabalho, a abertura de um questionamento sobre a felicidade e como ela é definida, deparando-se assim com uma complexidade de significações dadas a este termo, que se diversificam de acordo com aspectos latitudinais e longitudinais [1], situados a nível individual e coletivo.

Em qualquer estudo que se realize é necessário considerar o contexto sócio-histórico e cultural para que se possa apreender mais fidedignamente a realidade do objeto de estudo, e não seria diferente para este termo. Sendo assim diante da complexidade e amplitude de significações de felicidade, opta-se por desenvolver um estudo da semântica da palavra, partindo de sua definição.

O termo felicidade segundo o dicionário eletrônico Michaelis sf (lat felicitate) refere-se ao “Estado de quem é feliz. Ventura. Bem-estar, contentamento. Bom resultado, bom êxito. F. eterna: bem-aventurança. Em Latim, a palavra felix (genitivo felicis) queria dizer – originalmente – “fértil”, “frutuoso” (“que dá frutos”), “fecundo”. Mais tarde felix tornou-se sinônimo de “afortunado”, “alegre”, “satisfeito”. [2]

Estabelecida como um “estado”, pode-se situar a felicidade como uma condição ligada a uma situação vivenciada. Neste sentido, atribui-se a esta condição um efeito prolongado, ou mesmo de plenitude, ou seja, ser feliz é, segundo esta concepção, estar completo permanentemente. A Felicidade neste sentido apontaria para um aspecto divino, em concordância com a filosofia de felicidade perfeita apresentada por Aristóteles, que será tratada em capítulo posterior.

Porém, de acordo com a psicanálise, o ser humano é um ser de falta, logo, busca a felicidade almejando uma completude imaginária, impossível de se obter em concretude: “Somos feitos de modo a só podermos derivar prazer intenso de um

contraste, e muito pouco de um determinado estado de coisas que perdure” [3]. Passível de manifestação, a felicidade pode ser experimentada, mas sua permanência é uma ilusão. Este conceito psicanalítico será melhor explanado no decorrer deste trabalho, visto a psicanálise ser o aporte teórico de maior peso nesta pesquisa.

Ainda com base no significado da palavra felicidade, a satisfação do desejo, também incluída como um aspecto pertinente ao termo, é sem dúvida o cerne da questão para a visão psicanalítica: A satisfação é o alívio da tensão psíquica que se apoia em uma necessidade real do sujeito, e lhe confere a sensação de prazer ao ser realizada [4].

Para que seja melhor compreendida esta visão, propõe-se o mesmo estudo semântico partindo para palavra satisfação, que no dicionário eletrônico Priberam [5] é definida como: “ato ou efeito de satisfazer, saciar, agradar; alegria; contentamento; prazer”. Como um ato ou um efeito de satisfazer, pode-se estabelecer que o que está sendo satisfeito pode ser tanto um desejo quanto uma necessidade. Sendo assim, está contente quem se satisfez. Se a mesma satisfação não leva o sujeito a um contentamento, pode ser que a necessidade satisfeita não chegou ao nível do que era desejado. O desejo aí, então insatisfeito, gera um descontentamento mesmo com a satisfação de uma necessidade.

Se o sujeito está contente com aquilo que realizou, diz-se então que está alegre, ou seja, manifesta contentamento, júbilo, e esta alegria, um tipo de ação feliz, embora não seja a felicidade, é sua forma de se expressar. Apesar de haver uma relação entre elas, “a felicidade e a alegria, não são a mesma coisa”: A alegria é uma expressão, uma felicidade cortada, uma parte em relação com o real. [6]

A felicidade em que o sofrimento e a inquietude estão ausentes é imaginariamente buscada pelo ser humano que, movido pelo principio de prazer, ou seja, experimentar prazer e afastar o desprazer se relaciona ao caminho proposto por outro filósofo, Epicuro, no que ele chamou de aponia e ataraxia, conceituados no próximo capítulo. Contudo, sabe-se que uma vida sem sofrimento algum não existe, pois as adversidades que a natureza, o corpo e as relações interpessoais nos impõem, são as mais diversas, e a inquietude que isto provoca proporciona à raça humana um movimento em busca de melhoria individual e coletiva [7].

A felicidade atribuída a um tipo de bem-estar espiritual ou paz interior é costumeiramente evocada pelo discurso religioso, que religa o ser humano a uma força superior designada pelo nome de “Deus”. Dessa forma a religião, estabelecida para religar o sujeito com uma onipotência, provoca um “sentimento oceânico”, então significado como completude, bem-estar e paz interior. Dessa forma o sujeito poderia ser feliz através do domínio e restrição de suas paixões por uma conduta religiosa, ou de outra forma, pela quietude vivenciada por um isolamento voluntário ou pela prática meditativa da ioga [8].

Observa-se que o cuidado com o bem-estar e a paz interior segue a orientação de cuidado com a alma em primeiro lugar, proposto inicialmente pela filosofia de Sócrates e não distanciada da filosofia de Aristóteles, também trabalhadas posteriormente. A mediania, os valores morais e a atividade contemplativa propostos por Aristóteles, em especial esta última, que cunhava ao homem algo de divino, se comparadas aos valores e condutas assumidos pelos religiosos, podem ser colocados como as ideias geradoras da moral religiosa e da felicidade obtida desta forma.

Continuando com o estudo semântico da palavra felicidade, no dicionário Priberam está como: “concurso de circunstâncias que causa ventura, estado de pessoa feliz, sorte bom êxito, bem aventurança” [9]. No sentido de bem aventurança, pode-se considerar que seja “um risco bom”, já que ventura designa “sorte, acaso, risco”, ou seja, aventurar-se, poderia ser interpretado como se sujeitar ao acaso, ao risco. Atribuir à felicidade uma sujeição ao acaso, é retirá-la do âmbito de algo que se obtém com esforço e conferi-la um caráter “Mágico”: “O que podemos alcançar, por méritos e esforços, não pode nos tornar realmente felizes. Só a magia pode fazê-lo” [10].

No dicionário Priberam [11]encontra-se os seguintes significados para a palavra magia: “religião dos magos, ato ou efeito extraordinário, fantástico, encantador, surpreendente”. Um ato ou efeito extraordinário pode ser interpretado como algo extra-ordinário, ou seja, algo além da ordem, a mais que o estabelecido; fantástico, de uma ordem fantasiosa, imaginativa; encantador, algo belo, sedutor, prazeroso e surpreendente, que incita a surpresa, ao não esperado, não sabido, súbito.

Essa felicidade obtida da magia é uma satisfação não apreensível em palavras, advinda de um acaso em acordo com o real do desejo e a realidade externa. A magia neste sentido pode ser entendida como algo vivido em uma situação não esperada, de forma súbita, que vai além do que se poderia viver naquele momento e que de fato é belo e prazeroso, pelo acordo que se faz entre a realidade e o real do desejo. Essa felicidade é a realização de uma fantasia do sujeito, um bom encontro com algo que o remete ao Objeto a [12], em sumo: a felicidade acontece.

Deve-se, no entanto, considerar que retirá-la do âmbito de algo que se obtém com esforço e permitir que ela aconteça não quer dizer que nenhuma ação deva ser tomada pelo sujeito na direção de uma vida feliz, dessa forma a infelicidade pode ser vivenciada quando um único caminho em direção a satisfação é constantemente frustrado: “Qualquer escolha levada a um extremo, condena o indivíduo a ser exposto a perigos, que surgem caso uma técnica de viver, escolhida como exclusiva, se mostre inadequada” [13].

Pode-se perceber a partir deste estudo semântico da felicidade, que a cada tentativa de definí-la, outras tantas palavras são evocadas, demonstrando a cadeia significante [14] que forma e confere um sentido à palavra.

Descreve-se a felicidade como um objeto de desejo humano transformada em um bem material que pode ser alcançado pela realização de determinados papéis sociais e pelo consumo de determinados objetos, uma felicidade perfeita e pautada no prazer, difícil de ser questionada já que se obtém prazer de diversas formas.

Como um ideal advindo do senso comum, essa felicidade mascarada, alcançada por meio de objetos investidos de valor subjetivo, demonstra a fragilidade da ideia de completude e de onipotência de uma felicidade perfeita, o que abre a possibilidade de se encontrar uma felicidade que seja real, de acordo com a fruição momentânea que se faz pelo caráter transitório tanto do objeto quanto do prazer.

2. A Construção Sócio-Histórica do Termo Felicidade

2.1 Felicidade na visão filosófica

O pensamento socrático influenciou a maior parte dos filósofos gregos que apresentavam suas filosofias como “mensagens de felicidade” [15], e estabelecia que a felicidade, termo chamado de “eudaímonía”, significando uma vivência sob a influência de um espírito bom [16], não viria das coisas exteriores nem do culto ao corpo, e nenhum destes deveria ser melhor cuidado pelo homem do que a sua alma, único meio pelo qual seria possível atingí-la.

Sócrates acreditava que uma pessoa virtuosa é feliz, entendido no sentido de que não sofreria com os males da vida nem com a morte:

[…] porque os outros podem danificar-lhe os haveres ou o corpo, mas não arruinar-lhe a harmonia interior e a ordem da alma. Nem na morte, porque, se existe um além, o virtuoso será premiado; se não existe, ele já viveu bem no aquém, ao passo que o além é como um ser no nada. [17]

Aristóteles coloca a felicidade como o fim último dos atos humanos e que para se chegar a ela, é necessário viver segundo a razão. Toda a ação segundo ele, “tem como objetivo um bem qualquer, por isto tudo tende ao bem” [18], havendo “coisas boas em si mesmas e coisas úteis que dependem de algo mais” [19].

De acordo com essa forma de se pensar esse bem proposto por Aristóteles, nem tudo poderia ser entendido como um bem em si mesmo, como por exemplo, no sentido de uma ação como roubar, o sujeito dessa ação almeja o bem que esse ato pode lhe proporcionar, à custa de um prejuízo a outrem, e esse bem especificamente relacionado a quem age é um tipo de ação que poderia levar a uma sensação de prazer, entendida por este sujeito como um caminho para a felicidade.

Questiona-se o que poderia ser uma coisa boa em si mesma e opta-se por pensá-la como algo que não poderia ser retificado de tal valor, pois traz uma utilidade inquestionável, relacionando-se assim de forma direta a tudo aquilo que garante a vida e a sobrevivência da espécie.

Para se estabelecer um caminho que solucione tal problemática a partir da filosofia aristotélica, é necessário que se tomem as virtudes por ele propostas, como forma de conjugar o que seria um bem em si mesmo, para o sujeito e para o seu meio. Propondo dois tipos de virtudes, as intelectuais e as morais. Aristóteles estabelece que, a primeira nasce e cresce por meio do ensino, e que as virtudes morais se concretizam através do hábito e não da natureza.

Contudo, pensa-se que ambas as virtudes descritas por Aristóteles como um possível caminho para uma vida digna e feliz, são frutos do ensino e do hábito. Nenhuma atividade intelectual se desenvolve naturalmente, assim como se pode observar nas virtudes morais, estabelecidas como hábitos.

O exercício seria o meio proposto por Aristóteles para se adquirir virtudes, sendo que as mesmas eram entendidas por ele como “disposição de caráter relacionada com a escolha de ações e paixões, e consiste numa mediania (…) é um meio termo entre dois vícios, um por excesso e outro por falta”.[20] Esse meio termo proposto e usado frente às ambiguidades da vida sempre direcionam ao que é justo, à “justa medida, segundo a qual se distribuem os bens, as vantagens, os ganhos e se administra a política”.[21]

Outro aspecto ressaltado em direção à felicidade é a amizade, que segundo Aristóteles, “é uma virtude ou implica a uma virtude, e, além disto, é de suma necessidade na vida humana”.[22] Para Aristóteles a felicidade é autossuficiente e todo ser humano a busca como um fim em si mesmo, sendo, portanto, uma atividade da razão, onde o homem não se resume a ela, possuindo “algo de estranho à razão, que a ela se opõe e resiste, mas que, no entanto, participa da razão” [23].

De acordo, ainda com o pensamento do autor antes citado, o homem seria capaz de dirigir seu lado impetuoso pela virtude adquirida pelo hábito, repetindo sucessivamente os atos que conduzem a uma justa medida, que “tem a ver com paixões e ações, nas quais o excesso e a falta constituem erros e são censurados, ao passo que o meio é louvado e constitui retidão”.[24]

Pode-se notar ao realizar a leitura sobre sua filosofia, que Aristóteles almejava a perfeição do homem através da perfeição de sua alma racional, cunhando o termo “virtude dianoética”[25] para designar a sabedoria, que consiste na escolha daquilo que é bem ou que é mal para o homem e as formas que ele se utilizará para realizá-lo, e a sapiência, ou seja, o conhecimento de uma realidade superior que aproxima o homem de sua essência divina.

Exercitando sua sapiência o homem alcançaria a perfeição de sua atividade contemplativa, sendo esta, portanto, sua felicidade perfeita, uma atividade da razão que almeja um fim em si mesmo e obtém prazer por tal, autossuficiente e que não gere cansaço. Quando tudo isto cobre a vida do homem em toda a sua duração, sem que os aspectos que estruturam a felicidade estejam incompletos, ele possui a perfeita felicidade. “Mas uma vida desse tipo seria muito elevada para o homem: com efeito, ele não viverá assim enquanto homem, mas enquanto há nele algo de divino”. [26]

A ideia de completude e de onipotência divina que se evidencia pelo discurso aristotélico como felicidade perfeita se associa a um tipo de emoção, por ele denominada prazer, que passa a ser tomada como o verdadeiro bem a ser realizado, o verdadeiro caminho para a felicidade.

A filosofia grega tem em Epicuro de Samos, outro estudioso sobre a felicidade. Tendo no prazer o bem que direciona à felicidade, o referido filósofo funda a primeira escola helenística em Atenas por volta do fim do século IV a.C., e estabelece um novo discurso que ousou revolucionar as escolas de Platão e Aristóteles, que embora estivessem próximas cronologicamente, haviam deixado de se apresentar como algo novo a dizer.

Com sua compreensão revolucionária da realidade, entende-se que Epicuro demonstra que, embora o homem tenha bens exteriores que se fazem necessários ou supérfluos, a verdadeira felicidade vem de dentro dele indicando um caminho novo para alcançá-la. À primeira vista, não seria assim uma grande novidade, visto que essa mensagem foi também exposta por Sócrates, ao enfatizar o cuidado com a alma, e por Aristóteles, ao propor a mediania e as virtudes morais.

O que há de novo no discurso epicurista, é que a felicidade estando sempre e somente no homem confere valor maior à vida material, bastando pouquíssimo para mantê-la, um pouco que proporcionaria prazer e que está disponível a todos, sendo assim todo o resto vaidade e excesso de desejos. Escolhendo um jardim no subúrbio de Atenas, afastado da vida pública e delegando grande importância ao silêncio e ao campo do qual era próximo, Epicuro dizia: “livremo-nos amplamente do cárcere das ocupações cotidianas e da política” [27], para viver separado da multidão e da vida pública.

A política, que em si, é algo não natural, comprometeria a felicidade ao ser fundamentada em desejos de poder, fama e glória, iludindo o homem e o levando a um caminho de dores e perturbações, e assim Epicuro orientava: “retira-te para dentro de ti mesmo, sobretudo quando és constrangido a estar entre a multidão”. [28]

Os seguidores de Epicuro chamados de “os filósofos do jardim” passaram a ser conhecidos como os epicuristas e pregavam que a realidade é apreensível e penetrável pela inteligência humana, existindo assim espaço para a felicidade, que seria a ausência de dor e perturbação conseguidas pela autossuficiência do homem, tendo no prazer seu bem máximo. O caráter materialista da filosofia epicurista, que estabelecia essa autossuficiência, delegava uma igualdade a todos, pois a busca pela paz de espírito seria algo de comum e todos poderiam atingí-la se quisessem.

Nesse sentido o jardim comportava a todo tipo de homem que estivesse em busca de sua felicidade, não importando se era nobre ou não, bastando que soubessem retirar prazer das pequenas coisas e de que não causassem conflitos de ideias. Os epicuristas negavam toda a transcendência demarcando a fé no materialismo através de sua física epicureia, embasada na perspectiva dos atomistas pré-socráticos. A partir deste embasamento consideravam que “a alma, como todas as outras coisas, é agregado de átomos […] Portanto, como todos os outros agregados, a alma não é eterna, e sim mortal”.[29]

A verdadeira felicidade, pautada no prazer, viria a ser a “ausência de dor no corpo (aponia) e a falta de perturbação da alma (ataraxia)” [30], e não ao prazer desregrado que alguns difundiam em detrimento de uma razão que aprofunda as motivações e escolhas, rejeitando futilidades e prazeres fugazes que apenas trariam dores e perturbações.

Sendo assim Epicuro definiu os tipos de prazeres aos quais o homem estava submetido na vida como: (1) naturais e necessários – são os que diretamente conservam a vida como comer, beber, dormir, excluindo deste grupo o prazer do amor, atribuído como fonte de dor e perturbação; (2) naturais, mas não necessários – apenas variações do primeiro grupo como comer, beber, e vestir-se de formas mais refinadas; e (3) prazeres não naturais e não necessários – que são os prazeres fruto dos desejos humanos por poder, riquezas, glórias e luxúrias. [31]

A filosofia de Epicuro enfatizando a busca do prazer e o afastamento da dor delegou ao homem à tarefa de ser feliz à maneira mais simples e natural, não temendo ou esperando a intervenção divina, sem correr riscos ambiciosos ou mesmo se envolvendo com sentimentos mais profundos como o amor.

Essa perspectiva filosófica admitia a amizade, partindo do pressuposto que o homem ao se interiorizar, se individualizava de tal forma que ele se bastava, e assim poderia estabelecer um laço livre com um outro que lhe fosse semelhante na maneira de viver. A amizade entre indivíduos que se bastam era pautada numa utilidade, almejando determinadas vantagens até que, pela utilidade se fazer de forma prazerosa, o amigo seria o maior bem que a sabedoria buscava para se alcançar uma vida feliz.

Como se pode perceber desde a antiguidade filosófica, a felicidade é transformada em um sentimento que se caracteriza como um objeto de desejo humano, sendo estabelecida como um bem alcançado pelo cuidado que o homem tem com sua alma, com as virtudes que possui e os meios que escolhe para alcançá-la, sendo, portanto, a felicidade o fim último dos atos humanos.

A ideia de completude e de onipotência que se evidencia pelo discurso aristotélico como felicidade perfeita correlacionada à ideia epicurista de felicidade pautada no prazer, estando sempre e somente no homem, podem ser estabelecidas como base de uma cultura hedonista e consumista, que demarcam as subjetividades nesta realidade do consumo.

A felicidade, pautada no prazer, como uma “ausência de dor no corpo (aponia) e a falta de perturbação da alma (ataraxia)”, serve como uma das bases para o que este estudo aponta como uma felicidade mascarada, ou seja, ilusória, forjada numa idéia de pronta e infinita. Ainda neste estudo, a busca da felicidade, correlacionada com a obtenção do prazer, a partir de alguns conceitos de Freud em correlação com a psicossociologia, é analisada sob um ponto de vista crítico, apontando algumas das incoerências que podem ser observadas na ideia de felicidade plena, que tem por base influências tanto filosóficas quanto socioculturais, fortalecidas pelos avanços da pós-modernidade e que será tratado a seguir.

2.2 Transformações sociais e a busca da felicidade

É possível considerar que desde os primórdios da história da humanidade o tema de maior importância subjacente às diversas atitudes do ser humano é a busca da felicidade. Essa busca move a humanidade a estudar, trabalhar, crer e realizar coisas, formar vínculos afetivos e depois continuar a agir quando surge uma nova necessidade. É a necessidade que leva o homem a modificar a natureza, formando os objetos, ou seja, o produto de sua força de trabalho:

A satisfação material das necessidades dos homens e mulheres que constituem a sociedade – obtêm-se numa interação com a natureza: a sociedade, através dos seus membros (homens e mulheres), transforma matérias naturais em produtos que atendem às suas necessidades. Essa transformação é realizada através da atividade a que denominamos trabalho. (NETO, 2007, p.30).

É o trabalho que torna possível a produção de qualquer bem, criando os valores que constituem a riqueza social, ao longo da história da humanidade, modificam-se as formas de trabalho e da vida social e, por conseguinte, um dos motivos pelos quais o sujeito em busca da felicidade pode ter dificuldade em alcançá-la deve-se ao fato de que o termo é utilizado de modo e perspectivas diferentes ao longo do tempo, o que torna algo valorizado em um período não mais em outro.

Na Grécia antiga, dentre os filósofos que se ocupavam em refletir sobre o mundo sensível, a existência e as atitudes humanas, houve aqueles que se propuseram a refletir sobre a temática do presente trabalho, e somente a partir de Sócrates, é que a busca da felicidade tornou-se algo que, segundo ele, poderia ser atingido vivendo como os deuses, evitando os vícios e assimilando virtudes. Sócrates e os filósofos que lhe sucederam transformaram a felicidade em um objeto de uma busca racional que poderia ser alcançado pelo cultivo das virtudes que podem levar a ela.

Para os religiosos a felicidade estava fora deste mundo, pois a graça de Deus está em um mundo superior destinado aos bons. Desde a expulsão do paraíso, o homem está fadado ao sofrimento neste mundo: o máximo a que ele pode almejar, segundo Santo Agostinho, é a “felicidade da esperança”.

Com o Renascimento a ideia grega de que se pode conquistar a felicidade é retomada e radicalizada: ela é um estado natural, até mesmo um direito do homem, mas, somente com o Iluminismo, no século XVIII, a felicidade passou a ser algo a que todo ser humano poderia aspirar e a mesma passou a ser encarada como um direito humano atingível por qualquer pessoa. A felicidade deixou de estar ligada aos deuses, ao destino ou à sorte e passou à noção de que os homens teriam o poder de obter e concretizá-la na terra a partir de suas próprias iniciativas, e de que não havia problema em sentir prazer.

No período medieval, o trabalhador artesão é quem detinha o controle do processo de produção, estabelecendo, por exemplo, sua jornada de trabalho. Com as diversas transformações que vão ocorrendo nesta época, em especial, com a revolução industrial, essa autonomia do trabalhador foi perdida. Paralelamente à revolução industrial, as ideias políticas, econômicas e sociais dos séculos XVI a XVIII passaram a ser questionadas, possibilitando transformações que ocorriam de forma muito rápida com o triunfo das ideias iluministas, uma verdadeira revolução intelectual que se espalhou pelo mundo repercutindo até os dias atuais.

O período que marcou a transição do feudalismo para o modo de produção Capitalista, chamado de moderno, assinala uma grande transformação no padrão de vida dos indivíduos, que culmina na urbanização e sua expansão, aumento das comunicações entre as nações e o império da demanda, ou seja, a lei da oferta e da procura que sustenta o que chamamos de mercado.

Esse modo de produção já vai se fortalecendo desde a baixa idade média quando começa o comércio entre os europeus e orientais, além das descobertas marítimas, que ampliam o encontro entre os povos; os campos vão sendo abandonados, o comércio artesanal progride, as cidades burguesas oferecem chances de lucros, inventos impulsionam o progresso técnico, como a bússola, pólvora e a imprensa: tem-se assim o início da vida urbana dando os primeiros indícios de uma nova era mundial.

Já no século XX, a partir da década de sessenta, grandes produções culturais e transformações revolucionárias eram expressas em várias partes do mundo,por exemplo, no movimento de maio de 1968 na França, que questionou a separação entre revolução social e revolução dos comportamentos individuais, e nos EUA, com o surgimento de grupos como o movimento Yippie (Youth Internacional Party) um movimento que representava o “crescimento híbrido de esquerdista e de hippie, diferente tanto de um quanto do outro, algo inteiramente novo” [32].

No Brasil, ainda durante os anos sessenta, um movimento cultural, chamado de Tropicália ou Movimento Tropicalista, atribuída à produção cultural, como as artes plásticas, o cinema e a música, não pôde deixar de incorporar os elementos estrangeiros que esta mesma sociedade incorpora [33].

Estas condições não deixaram de ser contundentes com a evolução tecnocientífica e ao que parece tamanho avanço trouxe novas formas de sofrimento, ao invés de remediar os já existentes. Mas o desejo de felicidade habita o íntimo do ser humano em todas as épocas, e agora não seria de outra forma. O trabalho, ou seja, a força de produção do sujeito utilizada para a obtenção dos objetos demandados e que são ofertados pelo mercado, é o motor da sociedade ao mesmo tempo em que é movida por ela, o que caracteriza um movimento cíclico de oferta e procura, de necessidades não satisfeitas e suplência das mesmas através de objetos investidos de valor subjetivo, pelos quais o sujeito age em valor do significado que tem para si [34].

Ao poder fantasioso e autônomo, designado por este valor subjetivo que as mercadorias parecem ter e efetivamente exercem em face de seus produtores, Marx chamou de fetichismo da mercadoria, onde esses dispositivos simbólicos mediam as relações sociais aparentando relações entre coisas: os homens são valorizados pelo que tem [35].

A demanda, proposta como base de sustentação social, adquire duas perspectivas: A econômica, que se evidencia por uma demanda de um objeto material possível de ser adquirido numa relação de troca, entre o que é ofertado e a força de produção de quem demanda; e a psicológica, que não se faz evidente, mas expressa os desejos, as carências e necessidades do sujeito, ou seja, tudo aquilo que lhe falta. Neste sentido, tudo o que é demandado comporta as duas perspectivas, sendo que inclui através de um objeto material a suplência de uma necessidade ou de um desejo. [36]

Sendo assim, para aumentar a capacidade de consumo, ou seja, a obtenção dos objetos que suprem as necessidades dos sujeitos, deve haver continuamente novas alternativas que possibilitem obtenção de prazer com isso buscando-se a felicidade. Este período de transição, evidenciado especialmente na segunda metade do século XX, que se refere à uma realidade mais intensa, dinâmica e acelerada, de quebra das fronteiras entre os povos, aumento nas relações de mercado e o estabelecimento de uma sociedade em rede, denomina-se globalização. [37]

Há, nesta globalização, um processo de enfraquecimento das instituições tradicionais e dos quadros de referência que ligavam o sujeito ao seu mundo social e cultural, o que alteraria as noções de tempo e espaço, considerando a questão de que os sujeitos a partir de então tem vivido contra o relógio, onde não há mais tempo a perder. Cada vez mais ocupados, a passagem do tempo traz angustia na medida em que diversas tarefas têm que ser cumpridas em uma agenda cada vez menos vazia, instalando um paradoxo: agenda cheia de conteúdo, subjetividade vazia de sentidos e propósitos estáveis.

Por outro lado essa mesma alteração do tempo leva a uma idéia de que ele não passa, é infinito. O que se vê aí é algo da ordem de uma adolescência que não se finda, um culto à juventude e ao prazer desalojando o sistema social tradicional e fazendo surgir uma grande quantidade de representantes de poder.

Sem uma direção estável que o oriente, o sujeito entra em crise de sentido e sofre frente à insegurança de não saber o que escolher dentre tantas opções em sua busca pela felicidade: antes a segurança era possível visto que o sujeito abria mão de sua satisfação, adiava-a, em prol da estabilidade. Com tamanha liberdade isto se inviabiliza já que há uma individualidade marcante, torna-se um “cada um por si”, um “individualismo irresponsável” [38].

Como a estabilidade vem perdendo forças para a liberdade, isto se relaciona ao enfraquecimento do modelo de instituição patriarcal, em outras palavras, à falência do pai: é um modo de falar da falência do modelo totêmico característico de uma sociedade vertical, pai-orientada. Se há uma variedade de modelos de referência, há uma variedade de formas de identificação, que por sinal envolvem também uma variedade de formas de desejo. O fato de livrar-se do pai totêmico implica em se livrar do representante que funda o limite, abrindo uma perspectiva fantasiosa de ilimitação do prazer.

A busca da felicidade como um projeto comum, vai ganhando através da globalização e dos objetos que são oferecidos atualmente, um aspecto religioso, sagrado e inatacável: assim, qualquer que seja o meio que ofereça a felicidade a um sujeito pode atrair, inspirar e unir à outros que partilham dessa mesma ilusão, por meio de dispositivos simbólicos que funcionam encobrindo toda dúvida, todo trabalho de interrogação sobre si, transformando-se logo em um ato de crer.

Porém, a felicidade obtida pelo caráter transitório tanto do objeto quanto do prazer, está em acordo com o real do desejo e a realidade externa sendo muitas vezes a realização de uma fantasia do sujeito, ou seja, é preciso considerar questões psíquicas como o tempo curto de vivência do prazer e a necessidade real de satisfação do desejo de ser feliz, compreensão esta que será apresentada no próximo capítulo.

3. A Felicidade na Psicanálise

3.1 Felicidade: o que dizer disto?

Como foi visto no primeiro capítulo, uma cadeia significante confere um sentido a uma palavra, e analogamente, uma cadeia significante confere um sentido a um sujeito. Sendo assim, o que os sujeitos buscariam na vida ao atribuir um sentido a si e aos objetos seria

Obter felicidade; querem ser felizes e assim permanecer. Essa empresa apresenta dois aspectos: uma meta positiva e uma meta negativa. Por um lado, visa a uma ausência de sofrimento e de desprazer; por outro, à experiência de intensos sentimentos de prazer. Em seu sentido mais restrito, a palavra ‘felicidade’ só se relaciona a esses últimos [39].

Para Freud (1996), a felicidade consiste na satisfação casual de grandes necessidades, possível sob uma forma transitória e episódica, que não exclui da vida do sujeito adversidades, pelo contrário, reserva-lhe uma miséria comum e cotidiana, característica da condição humana que nada tem a ver com um propósito divino.

A perspectiva de Freud sobre a Felicidade parte de sua leitura em sua juventude ou mais tarde, na maturidade, de filósofos como Platão e Aristóteles, Michel de Montaigne, Schopenhauer e Nietzsche. De certa forma todos esses filósofos atribuíam à vida desafios de diversas ordens que confrontavam o homem com a frustração, sofrimento e decepção a partir do momento do nascimento, deixando cicatrizes que são impossíveis de apagar [40].

Frente às formas de sofrimento passa-se grande parte do tempo em busca de alívio e Freud, dividiu em três categorias os mecanismos que normalmente usa-se para alcançá-lo: desviar do sofrimento, pelo trabalho e atividade intelectual; satisfações substitutivas através da arte e entretenimento; substâncias tóxicas que minimizam ou insensibilizam à dor [41].

Na visão freudiana a felicidade é um objetivo complexo visto que três fontes de insatisfação seriam contundentes na vida das pessoas: a saúde e finitude do corpo, o mundo exterior (causas naturais) e as relações interpessoais com outros, sendo esta última a mais incisiva.

Não admira que, sob a pressão de todas essas possibilidades de sofrimento, os homens se tenham acostumado a moderar suas reivindicações de felicidade – tal como, na verdade, o próprio princípio do prazer, sob a influência do mundo externo, se transformou no mais modesto princípio da realidade -, que um homem pense ser ele próprio feliz, simplesmente porque escapou à infelicidade ou sobreviveu ao sofrimento, e que, em geral, a tarefa de evitar o sofrimento coloque a de obter prazer em segundo plano. [42]

Para se obter prazer é necessário se satisfazer através de um objeto que foi investido, chamado de objeto de investimento. O objeto investido conduz à satisfação quando pode ser fruído, contudo, é uma fruição temporária, visto que tanto o objeto quanto o prazer obtido através dele, são evanescentes. O desejo, contudo, é contínuo. É necessário que haja um objeto que seja contínuo como o desejo, que possibilite a satisfação que também deve ser contínua. Como essa ideia de ilimitação é uma ilusão, o objeto desejado nunca se fará real, então destitui-se o valor dos objetos reais pela parcialidade com que se obtém prazer através deles. [43]

De acordo com a psicanálise a experiência de satisfação que o sujeito vivencia parte da relação entre o desprazer e o prazer que “consistem no aumento e na diminuição de tensão[44]”, ou seja, o aumento da tensão psíquica é desprazeroso e o alívio da mesma é o prazer. Este prazer ao qual a psicanálise se refere não diz respeito somente a sensação de alívio que se experimenta na redução da tensão psíquica, ou seja, na satisfação que se obtém através do objeto investido; implica em um estado de tensão tão baixo que almeja sua própria ausência.

Esta ausência de tensão psíquica, ou seja, de desprazer, levaria o organismo de volta a um estado inanimado, sem sofrimento, o que sugere, portanto, que a própria vida traz consigo certa quantidade de desprazer. Neste sentido, Freud instaura mais uma ferida narcísica: a felicidade plena é uma ilusão. Porém, ao assinalar essa realidade ele abre a possibilidade de se encontrar uma felicidade que seja real, de acordo com a fruição momentânea que se faz pelo caráter transitório tanto do objeto quanto do prazer.

Sendo assim, parafraseando Freud, “o valor da felicidade é o valor da escassez no tempo”, já que se experimenta um prazer transitório em um objeto também transitório, não há ilusão maior do que a de querer que ambos sejam infinitos: A felicidade está em se fruir do seu prazer até que o mesmo acabe, restando apenas o desejo.> [45]

Fruir desse prazer se deve ao encontro com o objeto possível de realizar a descarga, e não há objeto preciso para isso: no entanto, há uma fantasia de como esse objeto possa ser para que o prazer obtido através dele seja satisfatório. O encontro com o objeto de desejo fantasiado nem sempre é possível, mas a pulsão que se presentifica sempre encontra um meio possível de descarregar: o sujeito é sempre feliz, não importando a forma como sua pulsão encontra essa felicidade libidinal.[46]

O superego “exerce não somente uma função crítica e normativa, mas, também, revela-se como base de todo ideal humano” [47], é determinado pela cultura, mediante a força de seu impulso e da integralidade e rigidez que foi constituído, conduz o sujeito do discurso à felicidade ou infelicidade.

Considerando-se primeiro a infelicidade, mais fácil de ser percebida, pois gera desprazer, diante da frustração de seu desejo, da perda do objeto ou da finitude tanto do prazer como do objeto, o sujeito do discurso pode ser levado à infelicidade, pois não tem mais o meio de obter prazer ou que seu prazer não é eterno. Tal sentimento de perda é experimentado com tristeza, caracterizando o período de luto, porém, mediante a pressão superegóica, pode conduzir a uma culpabilização e tristeza em níveis exagerados e estendidos, caracterizando a melancolia.[48]

Se objeto é escasso e perde o valor por isso, se o prazer é escasso e não vale ser fruído há nisso a evitação do sentimento de perda, e a melancolia decorrente. Contudo, quando há um objeto e o prazer nele obtido se presentifica, o sentido que pode ser dado ao objeto, mero meio de satisfação, se acaba com o prazer e o objeto é destituído de valor porque o valor era apenas a obtenção de descarga, que se fez e exigirá novo objeto.

Parte-se assim em busca de novo objeto e como é o desejo que impulsiona, não haverá objeto que satisfaça. Logo a busca da tão valorosa felicidade, é sem sentido e isso também recebe a intervenção superegóica. Culpa e melancolia acompanham o desejo insatisfeito: infelicidade.

Contudo, o mesmo superego pode, correlacionando o desejo insatisfeito com a realidade, demonstrar ao ego [49] que a insatisfação pode ser amenizada, por um mecanismo narcísico[50] que envolve a obtenção de prazer, por meio do humor, do riso, da comédia. Esse mecanismo que comporta o narcisismo do sujeito, se presentifica tanto pelos chistes [51]como também por uma conduta otimista. Nesse caso o superego, a partir da variação do humor, tristeza–alegria, pode apresentar ao ego algo que amenize a realidade, através de um dito espirituoso, bem humorado, como um pai faz com um filho.[52]

Nesse caso o humor alegre, que possui um refinamento que o diferencia do chiste, é evidenciado na crença da possibilidade do bem, do bom encontro com o real do desejo e com o objeto fantasiado, sem que isso seja desconsiderar o fato de não conseguir, de não poder tê-lo ou de perdê-lo. O humor, então, alegre, permeia não só na comédia, modo eficaz de se obter uma parcela de prazer diante do trágico, mas em outros aspectos da vida do sujeito que o conduzem a um real bem estar consigo, com os outros e com a realidade; ao inibir o desenvolvimento do desprazer, opera uma verdadeira transformação da energia ligada ao afeto doloroso oferecendo-lhe uma via de descarga, através das sublimações [53], um meio particularmente eficaz para o sujeito encontrar novos caminhos.

O seu representante mais direto, o riso, não é indicador de que seja este humor uma proveniência de bem-estar, mas pode indicar um mecanismo de defesa ao mesmo tempo em que obtém prazer: Disfarça a realidade de forma cômica, afastando o real da angústia daquele que a sente e de alguma forma às vezes projetando a idéia angustiante em um outro sujeito, que é feito de objeto do discurso humorístico, para um terceiro sujeito, um objeto de satisfação. Sem o outro que escuta, o chiste, permanece com o sujeito, autoinvestido, assim sendo, é o outro que se fazendo plateia garante o gozo. [54]

Gozo não é prazer, mas o estado que fica além do prazer; ou, para retomarmos os termos de Freud, ele é uma tensão, uma tensão excessiva, um máximo de tensão, ao passo que, inversamente, o prazer é um rebaixamento das tensões (…); o gozo… alinha-se do lado da perda e do dispêndio, do esgotamento do corpo levado ao paroxismo de seu esforço”.[55]

O termo gozo foi utilizado por Freud em “Três ensaios sobre a teoria da sexualidade”, mas é Jacques Lacan, psicanalista seguidor de Freud, que em 1950 retoma a ideia e a transforma em um conceito importante na psicanálise: “O conceito de gozo implica a ideia de uma transgressão da lei: desafio, submissão ou escárnio. O gozo, portanto, participa da perversão,”[56] e é causa de sofrimento.

Lacan conceituou o gozo “como um dos componentes estruturais do funcionamento psíquico, distinto das perversões sexuais”, sustentado por uma Identificação e articulado com a idéia de repetição, à busca da coisa perdida que falta no lugar do outro. Distinguindo prazer e o gozo, este último consiste na tentativa permanente de ultrapassar os limites do princípio de prazer, uma busca nunca erradicada por completo.[57]

Desse modo entende-se que sofrer demais é um acúmulo da tensão psíquica, vivenciada como busca da felicidade à revelia do desejo, o que de certa forma contrapõe desejo e felicidade, de acordo com esta visão. A felicidade proveniente da efetiva realização de um desejo é diferente da felicidade fruto da satisfação pulsional: A pulsão pode ser descarregada de diversas formas, quer seja pela via do sintoma, atos falhos ou pela própria atuação, e neste sentido, um sujeito pode encontrar a satisfação invariavelmente. “É por isso que, de fato, a felicidade fora da análise e a felicidade depois dela não estão em continuidade” [58], sendo que uma se satisfaz naturalmente em acordo com a primazia do princípio do prazer e a outra diz respeito ao remanejo do gozo, o que confere uma forma útil para o sujeito e a sociedade, sendo este, portanto, um estado mais feliz.

O sentido de bem estar a que o homem pós-moderno está submetido enfatiza em grande maioria aspectos de ter algo, onde até mesmo a saúde e a paz de espírito são colocadas como posse: “tenho saúde, tenho paz de espírito”.

Na sociedade do hiperconsumo, a aquisição de bens passa a ser índice privilegiado de felicidade. O consumidor se satisfaz por meio do objeto de consumo “[…] sou feliz na medida em que gozo de todos os objetos que me são oferecidos!” Trata-se do aspecto imaginário da felicidade: é feliz quem tem o que têm os demais.[59]

Evidencia-se que este tipo de felicidade atual é apenas o ter um objeto, qualquer que seja, embora os valores pessoais é que irão determinar que tipo de objeto seja, bem-estar hoje é aparentar-se feliz, aparentar-se bem. O aparente deve ser apresentado de acordo com o imperativo de felicidade para que o sujeito possa ser identificado como alguém que está bem, mesmo que essa sua felicidade, custe o preço de seu (real) bem-estar. Esse imperativo é demonstrado em um texto denominado: “A euforia perpétua, ensaio sobre o dever da felicidade”:

Seja Feliz! Terrível mandamento ao qual é mais difícil subtrair-se porquanto ele pretende nosso bem […] por dever de felicidade […] esta atribuição da euforia que relega à vergonha ou à enfermidade aqueles que não se adéquam. [60]

Uma felicidade que é estabelecida a partir de uma generalidade, que exige os mais altos padrões ao mesmo tempo em que sugere que para alcançá-la o sujeito não precisa ser tão exigente consigo mesmo, traz do passado a ideia de elaborar um projeto de vida ao qual se faz por meio de estabelecimento de metas. Porém, oferece através de um fluxo ininterrupto de opções, outros caminhos, e aí, o planejamento tão importante fica circunscrito no âmbito da rigidez, enquanto a saída melhor condizente com o real é a invenção frente ao que se apresenta como novo. “O que há de mais moderno na chamada política da felicidade é a promessa de efetivação do encontro com o social e seus imperativos e a singularidade dos sujeitos”.[61]

A invenção, resultado de um penoso, porém valioso processo custa algumas vezes a comodidade na vida do sujeito, e não é raro se ouvir falar: “A gente era feliz e não sabia”. Geralmente é uma frase usada em tempos difíceis se comparados a um passado, levando a uma precipitada conclusão de que algo piorou, no sentido de que o foco é o desprazer de tal situação.

Mas se de fato era-se feliz sem saber, essa felicidade fora desmascarada por esse saber. E assim pôde em alguns casos revelar o quão duvidosa era essa felicidade frente a sua estruturação. Ao se perguntar se é feliz, o simples questionamento põe em cheque o estatuto deste saber.[62] Não mais como certeza e pairando algo da ordem de um vazio, esta questão acaba por fugir de si, negando-se a uma reflexão que poderia incidir no sujeito uma desilusão: É preferível nem saber a se haver com a desilusão, pois ainda iludido, há esperança que a fantasia de completude se realize.

A busca de felicidade na vida realizada pelos seres humanos é pensada por Freud (1996), como o programa do princípio de prazer, que organiza o aparelho psíquico. Porém, de acordo com o determinante social, ser feliz, já que é algo natural, deve ser algo massificado. Temos então que o imperativo de ser feliz no social é uma espécie de epidemia, do qual cada sujeito contribui em sua manutenção, análogo a um portador de um vírus:

[…] “algumas de suas amigas (…) pegarão a crise, assim por dizer, através de uma infecção mental, e sofrerão, por sua vez, um ataque igual” (Freud, 1921/1972a, p. 135). Ou seja, refere-se a construções de ideais, que articulam narcisismo e sociedade, e referências que articulam o sujeito no laço social.[63]

Freud ‘apresenta’ o chamado “sintoma compartilhado, que pode ser considerado como precursor do sintoma social, que fornece a base das identificações histéricas” [64] e a partir disto considera-se que se alguém sofre pelo imperativo de ser feliz, tendo-o como gozo, prontificado a se transmutar de acordo com o que se faça necessário para permanecer aí, obtendo prazer na condição de quem o busca incessantemente, e que esta conduta é não só tida como normal, mas é a que está condizente com a vida na atualidade, que isto se trata de um sintoma social, ao qual tal felicidade só é nomeada a partir de um representante provisório, ou dito de outra forma, de uma máscara [65].

Esse mesmo gozo, condição pela qual a pulsão se manifesta, permanece a um nível de não-saber, possibilitando que este desconhecimento traga algum tipo de satisfação compensatória, visto que apesar do mal-estar do indivíduo, algo se obtém. Não sabendo, portanto, que sua insatisfação é também uma substituição de seu desejo, uma outra via de manifestação pulsional, algo deve lhe proporcionar a manutenção deste não saber de si, algo que possibilite um saber qualquer, desde que se atenha a um objeto fálico [66].

Desta forma a felicidade se mascara, já que a pulsão se ligando a um objeto fálico todo o saber que se tem satisfaria uma ilusão de completude, ainda que ela seja associada a um mal-estar. É possível que alguns sujeitos lutem para obter algo e após conseguirem se deparem com um vazio. Aquilo que era tomado como objeto de felicidade não a realizou, pois o foco foi dado ao objeto em si e o sentimento verdadeiro, que poderia ser encontrado na verdade se distanciou.

Contudo, é preferível se contentar com tal objeto, se inscrevendo socialmente, consumindo o que os demais consomem e prestando assim um culto à ideologia do sucesso, desde que isso lhe garanta um mínimo de satisfação. O coletivo é um dos principais determinantes para isso. Ainda que marcada pelo individualismo, a subjetividade contemporânea necessita do outro, a saber, mais de sua aprovação social do que de um comprometimento de uma relação com ele.

Para se inserir socialmente, o sujeito pós-moderno apreende os novos conceitos, os novos valores que determinam o que é apreciado na pós-modernidade, ainda que a insatisfação persista em assombrá-lo, tornando-se feliz assim à revelia de sua verdade. A felicidade mascarada é o paradoxo do sujeito pós-moderno: Insatisfeito em sua constituição íntima ao mesmo tempo em que é feliz ao nível dela. Tal contradição deve ser disfarçada, por isto o sujeito se apresenta como alguém feliz da vida, gozando com seus vários objetos em uma conduta consumista e hedonista, estando então de acordo com seu social.

Mas há algo nesta fantasia de ser feliz que faz incomodar, que inquieta e que reclama sem conseguir ser claramente nomeada. A isto soma-se que com o avanço tecnocientífico, as exigências de competência passaram a um nível exarcebado onde não basta apenas saber e ser bom em algo, é preciso se destacar. A perspectiva do destaque faz com que um sujeito seja percebido em sua diferença no grupo de semelhantes, e por esta diferença, seu “valor de mercado” se amplia, assim, passando a valer mais socialmente ele passa também a ser mais exigido.

Todo o potencial criativo que o sujeito possui, que o difere do outro, é exatamente o que de mais precioso ele terá. Suas dores e angústias por mais singulares que sejam, são sob certa medida, pontos comuns, que acabam por barrar muitos sujeitos. Como pontos comuns essas dores e angústias fazem sofrer, mas é exatamente pelo potencial criativo que a saída do sofrimento se faz inventiva.

Não se trata de uma saída qualquer, de uma invenção qualquer, mas de um resultado de um sujeito que se refez em sua identidade, identificado com os traços singulares que o fazem distinto em sua forma de gozar, para conseguir maior satisfação em seu fazer. É um sujeito que, por meio da pulsão de morte [67], “renasce”, refaz sua forma de estar no mundo atribuindo um outro sentido ao seu significante, ao seu objeto a, assim como uma nova forma de se relacionar com eles, além de se abrir a novas possibilidades e com isso a novos significantes.

3.2 Correlações da psicanálise com a psicologia sócio-histórica

Freud ao sistematizar sua técnica, a fundamentou como um método de investigação do inconsciente, uma técnica de tratamento e um corpo teórico sobre o aparelho psíquico e seu funcionamento, partindo de descobertas individuais que ao longo de seu estudo foram se indissociando do aspecto social.

Pode-se citar obras como “Totem e Tabu”, “Moisés e o Monoteísmo”, “O Futuro de uma Ilusão”, “Mal-estar na civilização”, “Psicologia das Massas e análise do eu” como as obras sociais em que Freud, estabelece sua linha de pensamento na relação do sujeito e a sociedade.

As pesquisas que objetivam desvendar a relação do sujeito e sociedade abordam os aspectos que influenciam nas mudanças e nos impasses da subjetivação e estudam os fenômenos sociais, e são em geral realizadas pela sociologia e psicologia social, dificilmente tratadas como ramos totalmente distintos, sem qualquer interseção.

Psicologia social é o estudo científico de manifestações comportamentais de caráter situacional suscitadas pela interação de uma pessoa com outras pessoas ou pela mera expectativa de tal interação, bem como dos processos cognitivos suscitados pelo processo de interação social.[68]

As transformações que afetam as sociedades atuais, responsáveis por um incontestável mal-estar nas identificações e nas identidades, devem ser pensadas e acompanhadas por intervenções de pesquisadores, capazes de levar em consideração as dificuldades de tais situações, a fim de que se possa criar um diálogo entre o saber científico e a comunidade.

A prática psicanalítica referente ao sujeito enredado [69] socialmente é um tipo de pesquisa da Psicanálise iniciado por Freud e por ele nomeado de psicanálise aplicada, posteriormente chamada por Lacan de Psicanálise em extensão, e tem como característica fundamental o modo de formular as questões [70].

Parte do “fenômeno ao conceito, e constrói uma metapsicologia não isolada, mas fruto da escuta psicanalítica, que não enfatiza ou prioriza a interpretação, a teoria por si só, mas integra teoria, prática e pesquisa” [71]. Dentre os fenômenos possíveis de estudo na atualidade é apropriado destacar o individualismo irresponsável [72], o hedonismo, o desinteresse sóciopolítico, a busca desenfreada pelo status socioeconômico e o consumismo e descartabilidade, que atravessam as relações interpessoais.

“A descartabilidade é característica dos seres humanos e das relações que estabelecem, obedecendo à máxima da sociedade em que estamos inseridos: O consumir” [73]. A cultura do consumo é regida pelos níveis econômico, com a expansão capitalista de mercadorias, originando acúmulo de cultura material; sociológico, os bens acumulados e / ou adquiridos representam vinculação, pertencimento e o valor social é correspondente ao quanto se tem; e psicológico, com os prazeres emocionais proporcionados pelo consumo. [74]

A complexidade do sujeito em seu meio não permite que ele seja estudado sob um único ângulo e é essa convicção que me conduziu a uma posição interdisciplinar, onde vejo o lugar da psicossociologia, cujas bases são as relações que o indivíduo mantém com o social, o modo como estas se estruturam e os efeitos da interação desses determinantes sobre o indivíduo. [75]

Desta forma, somando forças à psicanálise, a psicossociologia, vertente transdisciplinar da psicologia social, e que tendo seu corpo teórico baseado na psicanálise, sociologia, economia e política, abre espaço para a perspectiva clínica na vertente sociológica e psicossocial, simultaneamente teórica e prática por conjugar cogitos freudiano e cartesiano.

Sendo assim, é um conhecimento chave para os estudiosos das ciências sociais e os sujeitos enredados que desejam uma saída inventiva para novas modalidades sociais, podendo ajudá-los a analisar melhor as estratégias de ação que podem ser desenvolvidas, a influência dos fatores situacionais, a cognição social [76], assim como compreender as consequências de suas tomadas de decisão e as transformações que ocorrem na vida cotidiana.

Propõe-se a partir de uma análise psicossociológica uma atenção especial à conversação e ao debate, articulando o saber científico e o da sociedade, “pois este público leigo pede que se articule a teoria com a prática, não querem receitas, mas requerem instrumentos pra refletir sobre suas vidas”. [77]

Considerando o exposto até aqui visualiza-se que no mundo pós-moderno a grande quantidade de signos e significações até então estabelecidas misturam-se em um paradoxal conjunto de valores fragmentando a cultura de tal forma que os objetos promotores da felicidade que à sociedade serve são temporários, instáveis e imprevisíveis. Por valores paradoxais entende-se que a sociedade se rege atualmente pela construção de novos ideais que acabam por resgatar características da antiguidade filosófica e renascentista, como por exemplo, os valores da antiguidade greco-romana –“Carpe Diem” – ou seja, “aproveite o dia”, demonstrando o sentimento de presente eterno que perpassa o sujeito e a sociedade. [78]

Considerando que viver de forma feliz é um desejo comum a todos, e essa busca na vida dos seres humanos é pensada por Freud (1996) como o programa do princípio de prazer, que organiza o aparelho psíquico, este desejo pode ser correlacionado à necessidade de um projeto comum que favorece os vínculos nas formações grupais, se fazendo como um elo entre indivíduos e sujeitos [79].

Através de um desejo comum, viver de forma feliz significa: uma causa a defender, um projeto a concretizar, um sonho, um ideal a realizar, ou seja, um sistema de valores, uma representação coletiva, em um imaginário social comum [80].

Não se trata unicamente de querer coletivamente; trata-se de sentir coletivamente, de experimentar a mesma necessidade de transformar um sonho ou uma fantasia em realidade cotidiana e de se munir dos meios adequados para conseguir isso. [81]

Mesmo que o indivíduo seja considerado como um reprodutor social, ele possui “uma parcela de originalidade e autonomia [82]”, porém, diante da insegurança marcante deste período ele busca garantias de estabilidade e

É por isso que o indivíduo pode aceitar recalcar seus desejos, reprimir suas pulsões, aderir profundamente às injunções sociais e, às vezes, ser um agente ativo desses processos de recalque, de repressão e de adesão. Ele troca sua liberdade pela segurança de manter seu narcisismo individual, apoiado pelo narcisismo grupal ou social. [83]

Percebe-se neste sentido que a idealização, elemento constitutivo das identificações, é o que dá consistência, vigor e “aura” excepcional ao desejo e à felicidade. Da idealização pode-se chegar a um tipo de crença, difundida através das gerações por dispositivos simbólicos, ou seja, por sistemas de valores, representações coletivas que funcionam mascarando as adversidades, as inseguranças e transformando-se em um sistema de crenças que leva uma pessoa infeliz a se portar como se fosse feliz. [84]

Assim sendo, conclui-se que qualquer que seja o grupo que o indivíduo esteja inserido estará submetido a uma mesma função, individual e coletivamente, pois esta função o tranquiliza e o faz agir: identificando-se aos líderes religiosos, políticos e militares; aos formadores de opinião, estudiosos, apresentadores da mídia, médicos; além de figuras expressivas como artistas e empresários, todos os citados são tomados como símbolos de sucesso e em última análise representantes de felicidade.

Desta forma alguns dos conceitos de Sigmund Freud e Jacques Lacan apresentados até aqui podem contribuir para compreender as perspectivas de felicidade na atualidade, associados à perspectivas psicossociológicas no sentido de provocar novos questionamentos que visem analisar a fundamentação da grande diversidade de significações, e provocar alguma transformação na aparente alienação subjetiva vivenciada pelas pessoas em uma espécie de epidemia de felicidade.

Analisando-se algumas idéias desde a antiguidade filosófica, a felicidade poderá ser tomada como um objeto de estudo psicanalítico apesar de sua complexidade evidente, já que caracteriza-se como um objeto de desejo humano. Correlacionando a ideia epicurista de felicidade pautada no prazer à primazia do princípio de prazer freudiano, compreende-se que o alívio obtido na fruição do objeto pressupõe uma condição de tensão que o antecede, portanto, afastando o homem da possibilidade de ausência de dor no corpo ou perturbação da alma.

A ideia de completude e de onipotência que se evidencia pelo discurso aristotélico como felicidade perfeita, é discutida então pelo viés psicanalítico como algo impossível de ser concretizado, já que o ser humano é entendido como um ser de falta, e a partir desta incompletude é que se torna um sujeito desejante.

Ao estabelecer que o indivíduo deveria retirar-se para dentro de si mesmo, Epicuro em sua filosofia causou uma influência que pode ser observada na conduta de alguns sujeitos atualmente, como o individualismo exagerado, que repercute em um desapego nas relações interpessoais e um desinteresse pelos fenômenos sociais. Analisando a inter-relação das pessoas e os objetos, descreve-se a felicidade como um objeto de desejo humano transformada em um bem material que pode ser alcançado pela realização de determinados papéis sociais e pelo consumo de determinados objetos.

Ao mesmo tempo em que, no mundo pós-moderno o sujeito pretende ser feliz a um nível individual, se afastando do contato direto com o outro, como um meio de defesa ou melhor dizendo, servindo ao princípio do prazer que o afasta do desprazer que as relações interpessoais podem ocasionar, esse sujeito busca nos objetos de consumo e nos papéis sociais um meio de inserção no coletivo, de aceitação e reconhecimento grupal, “garantindo” o máximo de prazer, e sendo portanto, difícil neste contexto se pensar infeliz.

Podendo ser interpretada como um consenso social, essa felicidade mascarada que é alcançada por uma representação social demonstra a fragilidade da ideia de completude e de onipotência de uma felicidade perfeita, já que a insatisfação é condição sine qua non da relação entre o sujeito e a sociedade e a estruturação de ambos, sempre haverá objetos novos para promoverem a felicidade, pois de acordo com a psicanálise, sempre haverá falta no sujeito, portanto, o desejo é o cerne desta e de todas as questões.

3.3 A busca da felicidade e o mundo pós-moderno

Com base na leitura realizada, denomina-se mundo, neste trabalho, como sendo o produto da inter-relação de pessoas e coisas e o meio ambiente, em constante movimento de produção e criação, de construção e desconstrução, uma realidade que se faz fluída exatamente pelo seu caráter de constante mudança [85]. Ainda que estas mudanças sejam uma característica própria do mundo, alguns elementos constantes se evidenciam, caracterizando assim épocas que recebem um nome para situarmos o contexto sócio-histórico ao qual nos referimos.

O termo modernidade cunhado para denominar um período de transição da idade média para um novo mundo, tem sua origem na palavra “modernus”, derivado de “modo”, ou seja, a maneira ou o modelo de algo, seguindo a formatação da palavra latina “Hodiernus”, derivada de “hodie”, ou seja, “hoje”. Utilizada então para designar a diferença entre esse novo mundo e o antigo, o “modo de hoje”, ou modernidade, passa a ser de um projeto para uma realidade cada vez mais intensa, dinâmica e acelerada.[86]

Ao período que se segue em decorrência ao moderno, chama-se costumeiramente de pós-moderno, e sugere-se pelo nome um período posterior à modernidade, sem que o mesmo caracterize-se por uma ruptura com o período ao qual é antecedido. Havendo, portanto, um processo decorrente do anterior, evidenciado especialmente na segunda metade do século XX, onde profundas transformações tecnocientíficas e sociais implicaram em mudanças paradigmáticas nas instituições que regiam a sociedade – o estado, a igreja, a família, a escola – a pós-modernidade pode ser considerada aqui como o produto do projeto moderno de globalização, que

(…) inclui processos que hibridizam – colocando culturas, formas de ser, estilos de vida, um de frente com o outro – e processos que homogeneízam – negando o local em favor de um global destituído de ambiguidade, num processo de padronização radical. [87]

As instituições sociais – o estado, a igreja, a família, a escola – estruturadas de forma hierárquica e vertical, ou seja, tendo em uma figura de autoridade central o modelo de direção e de regência, ao perder sua solidez, perdem o ponto que demarca a orientação pela qual a cultura e a sociedade seguirão, assim o espaço que disso é decorrente é preenchido de forma aleatória.

Como produto da globalização, este espaço faz surgir uma diversidade de representantes de poder e de referência e incide em uma dificuldade em se estabelecer uma figura de autoridade, uma figura representativa de uma lei que se faça concreta, estável, como representante da função paterna [88]. O efeito nas identidades pós-modernas é uma “máscara” que se troca a cada novo referencial demandado. Como não há lei que não seja a de fluxo, não há um ícone concreto ao qual se identificar, pois os mesmos também estão em fluxo: é na demanda e na sua prontificação para a troca é que se estabelecem as “identidades líquidas” [89].

Essa nova orientação, ainda que com tal caráter de aleatoriedade implícito, não deixa de ser um consenso social, fruto da almejada liberdade buscada nas revoluções sociais a partir da década de sessenta [90], que paradoxalmente produziram um sentimento de potência e de impotência no indivíduo. A individualização que se segue a essa liberdade, marca sentimentos de insegurança, compensados de diversas formas, sendo que as mais evidentes são a provisoriedade com que são vivenciadas as experiências, e o desapego.[91]

Entende-se este desapego, citado como uma das características deste período pós-moderno, não somente como o descompromisso com um objeto de desejo, mas como uma forma de se evitar a dor que o apego a um objeto pode causar ao se perdê-lo.

Essa descartabilidade como uma característica do desapego, traz um mal-estar que se diversifica, servindo ao temor de ser excluído[92]. Paralelo a este sentimento, as relações interpessoais passam por esta característica já que quanto menos um sujeito se permite se afetar, menos apego ele sente pelo outro e sua necessidade por ele se reduz ao tipo de serventia oferecida. São tipos de relações orientadas pela mesma lógica de sustentação do mercado, ou seja, relações interpessoais mercantis e descartáveis são, portanto, relações de consumo interpessoal.

Se o outro passa a ser como os demais objetos, algo que o serve e nada mais, as pessoas passam a se consumir umas as outras, as relações de amor se distanciaram de um ideal romântico para um fluxo sexual sem compromissos, numa tentativa de garantir o máximo de sucesso e o mínimo de fracasso. Não abrir mão do que possibilite essa via de satisfação e impedir que algo lhe sirva de obstáculo é a ética da qual se orienta o sujeito pós-moderno, em concordância com o princípio de prazer. O desprazer é relacionado à tensão devido ao acúmulo de energia (Q) e o prazer consiste na descarga desse excesso [93].

O mais difícil então neste contexto seria alguém se pensar infeliz obtendo prazer de diversas formas. Pela lógica aí estabelecida, o coerente é se pensar feliz, pois se tem prazer no viver e a busca é sempre a mesma: Felicidade. Os caminhos é que são diversos. E frente a essa diversidade é que a felicidade às vezes se perde por causa de fantasias como a de que tudo se pode –“É proibido proibir” [94], de que não há limites –“tudo é melhor quando se faz o que se quer e sem limitações” [95] onde nada poderia ser recusado desde que fosse prazer.

Como uma ideia que perpassa sujeito e sociedade, a ilimitação do prazer veio a se evidenciar a partir do fluxo ininterrupto de ofertas, que tanto vem através de objetos materiais – estéticos, eletroeletrônicos, automobilísticos entre vários outros – como através de papéis sociais atribuídos pelos grupos em que o indivíduo busca fazer parte.

Neste sentido, as possibilidades de se obter prazer são de tamanha diversidade que o indivíduo, muitas vezes, vê-se angustiado diante das escolhas, podendo assim que decidir por uma delas se sentir arrependido e buscar a próxima alternativa de prazer. Desta forma a cada nova tentativa de se obter prazer um novo objeto é buscado, o que de certa forma aumenta ainda mais as ofertas de promotores de prazer, ou seja, aumenta o consumo.

Considerando-se que a oferta e a demanda se inter-relacionam e são interdependentes, pode-se seguir pela mesma linha de raciocínio ao estudar o atual contexto de uma sociedade de consumo, ou seja, só há esse exarcebado consumo porque há um excesso de demanda, e esta última se mantém devido a vários fatores, como por exemplo, a descartabilidade e o desapego.

Analisando a inter-relação das pessoas e os objetos em constante movimento de produção e criação, é possível visualizar que , na pós-modernidade, a felicidade como um objeto de desejo humano, é transformada em um bem material que pode ser alcançado pela realização de determinados papéis sociais e pelo consumo de determinados objetos.

A felicidade como o fim último dos atos humanos, partindo da ideia de completude e de onipotência, ou seja, de uma felicidade perfeita e pautada no prazer, pode ser efetivamente estabelecida como base de uma cultura hedonista e consumista, onde o individualismo exagerado e o desapego nas relações interpessoais influem em um desinteresse pelos fenômenos sociais, sendo portanto, difícil neste contexto alguém se pensar infeliz obtendo prazer de diversas formas.

Podendo ser interpretada como um consenso social, essa felicidade mascarada, ou seja, alcançada por uma representação social, é uma das consequências do mundo pós-moderno, onde a demanda, proposta como base de sustentação social, inclui, através de um objeto material a suplência de um desejo, em um movimento cíclico de oferta e procura de objetos investidos de valor subjetivo.

Neste sentido a felicidade correlacionada com o prazer obtido no consumo e na representação social, é algo valorizado e difundido no mundo pós-moderno por meio de formas evidentes que se exemplificam pelo consumo de objetos materiais, como também por formas mais sutis que perpassam os discursos de como um sujeito deve comportar-se, vestir-se e agir para ser feliz.

4. Considerações Finais

A temática da felicidade, transformada em objeto de consumo, é pouco estudada cientificamente sendo compreendida por diversas perspectivas socioculturais do senso comum. Desenvolver o tema pelas perspectivas da psicanálise e da psicossociologia é um estudo que permitiu correlacionar os modos como a felicidade é buscada atualmente, no âmbito da sociedade globalizada e, à medida que forem correlacionadas, se pode com elas analisar alguns pontos que dizem respeito à complexidade do assunto e contribuir socialmente com o tema.

A pesquisa empreendida permitiu compreender que o mundo pós-moderno oferece, nas diversas formas de consumo, o alcance pleno da felicidade e analisando-a focando o papel da sociedade e da cultura. Já a psicanálise freudiana constata que a vida social exige sacrifícios pulsionais da ordem do desejo, causando aos homens um mal-estar, ao mesmo tempo em que esses sacrifícios constituem uma condição necessária para a existência da própria sociedade.

No mundo pós-moderno os conceitos de felicidade e bem-estar são em alguns casos posições desarmônicas que podem ser interpretadas como uma felicidade mascarada, alcançada por uma representação social estabelecida a partir de uma generalidade, oferecida através de um fluxo ininterrupto de opções.

A teoria psicanalítica, com base em Freud, mostrar que tal plenitude não é possível. Ainda que Freud considere diversos elementos relacionados a esta situação, como barreiras ou como meios de obtenção da satisfação, sua ideia se concentra na inviabilidade do projeto de ser feliz, visto que a ideia de plenitude que perpassa o significado de felicidade e difundida desde a antiguidade é demonstrada como ilusória.

Os estudos da psicologia sócio-histórica correlacionados com a própria psicanálise vieram reafirmar que a ideia de felicidade plena adquirida pelo consumo é um consenso social exarcebado no mundo pós-moderno, e que assim alcançar a felicidade não se fecha na obtenção de bens materiais fortalecidos pelo consumismo.

Com base no exposto neste trabalho conseguiu-se alcançar o objetivo de desenvolver uma análise sobre o tema felicidade, evidenciando as perspectivas de Freud e Lacan com suas possíveis aplicações, correlacionando as ideias dos autores com outros da psicologia sócio-histórica Esta correlação permitiu encontrar resposta positiva ao problema proposto.

Sendo assim, conclui-se neste estudo que a felicidade de um sujeito é uma posição fálica que implica seu estatuto de ser um ser de falta, e com o fomento de estudos, a psicanálise e da psicologia sócio-histórica podem tornar esta premissa algo legítimo, já que a felicidade obtida pelo caráter transitório tanto do objeto quanto do prazer está em acordo com o real do desejo e a realidade; é a realização de uma fantasia do sujeito, é algo que acontece, sendo esta compreensão de felicidade a que este trabalho chega.

Espera-se que o presente trabalho possa, não apenas esclarecer sobre a temática da felicidade, mas provocar novos questionamentos a fim de que se ampliem as pesquisas e interesse dos leitores e sujeitos implicados com essa inquietude, que é a busca pela felicidade.

AC, Monografia. A felicidade e a cultura. Monografia AC. Disponível em: <http://www.monografiaac.com.br/psicologia/felicidade-cultura.html>Acesso em 23 de Outubro de 2011.

ANTISERI, Dario; REALE, Giovanni. História da Filosofia: Antiguidade e Idade Média. São Paulo: Paulus, 1990, V.I.

ASSMAR; JABLONSKI; RODRIGUES. Psicologia Social. 23ª ed.Vozes, 2005, p.480.

BATTAGLIA, Laura. A estrutura básica do Psiquismo. In: PINTO, Manuel da Costa et al. O livro de ouro da psicanálise. Rio de janeiro: Ediouro, 2007, p. 532.

BRAGANÇA, Andressa. O que é Felicidade? Filosofando sobre Felicidade. Disponível em:< www.andmania.com/amese/felicidade02.html> Acesso em 15 de Julho de 2012.

COELHO, Cláudio N.P. Tropicália: cultura e política nos 60.1989. V.1. Artigo, Pós-Graduação do Departamento de Sociologia, FFLCH, USP, São Paulo, 1989. Disponível em < http://www.fflch.usp.br/sociologia/temposocial/pdf/vol01n2/a%20tropicalia.pdf> Acesso em 10 de Junho de 2012.

Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Disponível em: <http://www.priberam.pt/DLPO/> Acesso em 23 de Agosto de 2011.

DOR, Joel. O pai e sua função em psicanálise.Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 1991, 125 p.

FALCÃO, Ana Lúcia Bastos.Sobre os Chistes.Interseção Psicanalítica do Brasil.Brasília, 2002. Disponível em: < http://www.interseccaopsicanalitica.com.br/art081.htm> Acesso em 24 de Outubro de 2011.

FEHER, Ferenc; HELLER, Agnes. Da satisfação em uma sociedade insatisfeita. In: FEHER, Ferenc; HELLER, Agnes. A condição política pós-moderna. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira, 1998, 240 p.

FORBES, Jorge. Seminário: A felicidade na clínica de Jacques Lacan. Disponível em:< http://www.youtube.com/watch?v=razmLAgIosU> Acesso em 20 de Outubro de 2011.

_______________.Felicidade não é bem que se mereça: Opção Lacaniana, n.54. São Paulo: Eolia, p.55-59,Maio, 2009.

_______________. Jacques Lacan e a Psicanálise do Século XXI.In: A invenção do Contemporâneo, Agosto de 2009. Disponível em<http://www.youtube.com/watch?v=M9bxNcxNC_k> Acesso em 11 de Setembro de 2011.

FREGONEZZI, Marta Dalla Torre; LIMA, Raimundo de. A felicidade existe? – Freud, a psicanálise e a felicidade. Revista espaço acadêmico.[s.l],nº59,Abr.2006. Disponível em: <http://www.espacoacademico.com.br/059/59esp_limafregonezzi.htm> Acesso em: 08/08/2011.

FREUD, Sigmund. Luto e Melancolia. In: FREUD, Sigmund. A História do movimento psicanalítico, artigos sobre a metapsicologia e outros trabalhos.Edição standard.Vol. XIV.Rio de Janeiro: Imago,1996, p. 245-279.

_______________. Sobre a Transitoriedade. In: FREUD, Sigmund. A História do movimento psicanalítico, artigos sobre a metapsicologia e outros trabalhos.Edição standard.Vol. XIV.Rio de Janeiro: Imago,1996, p. 317-319.

_______________.Os arruinados pelo êxito. In: FREUD, Sigmund. A História do movimento psicanalítico, artigos sobre a metapsicologia e outros trabalhos.Edição standard.Vol. XIV.Rio de Janeiro: Imago,1996, p.331-346.

_______________.O mal estar na civilização.In: O Futuro de uma ilusão, Mal estar na civilização e outros Trabalhos. Edição standard.Vol. XXI. Rio de Janeiro: Imago,1969. p. 67-148.

_______________.O humor. In: O Futuro de uma ilusão, Mal estar na civilização e outros Trabalhos. Edição standard.Vol. XXI. Rio de Janeiro: Imago,1969. p. 163-169.

_______________.Tipos libidinais. In: O Futuro de uma ilusão, Mal estar na civilização e outros Trabalhos. Edição standard.Vol. XXI. Rio de Janeiro: Imago,1969. p. 225-228.

GARCIA-ROZA, Luiz Alfredo. Freud e o Inconsciente. 23°ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008.

GOROSTIZA, Leonardo. Felicidade ou Alegria: Opção Lacaniana, n.54. São Paulo: Eolia, p.3-7,Maio, 2009.

GURGEL, Iordan.Os objetos de que não preciso para ser feliz: Opção Lacaniana, n.54. São Paulo: Eolia, p.61-65,Maio, 2009.

HANNS, Luiz Alberto. Essa tal felicidade. Psique ciência e vida, ano III, n. 28, p. 06-11, 2010.

INADA , Jaqueline Feltrin. Felicidade e mal-estar na civilização. Revista Digital AdVerbum 6, Jan a Jul de 2011, p. 74-88. Disponível em: <http://www.psicanaliseefilosofia.com.br/adverbum/vol6_1/06_01_06felicidademalestarciviliz.pdf> Acesso em:17 de Julho de 2012.

LAPLANCHE, J.; PONTALIS, J.B. Vocabulário da Psicanálise. 10 ed. São Paulo Martins Fontes, 2001. p.552.

LAURENT, Eric. Mentiras da felicidade. Loucuras, sintomas e fantasias na vida cotidiana.Belo Horizonte. Scriptum livros, 2011. p.71-98.

LÉVY et al. Psicossociologia análise e intervenção social. Belo Horizonte.2001,p.263. Disponível em:<http://pt.scribd.com/doc/51288139/Psicossociologia-Analise-Social-e-Intervencao>Acesso em 23 de Outubro de 2011.

LIPOVESTKY, Gilles. Uma Sociedade sem alma.Lateral. Revista de cultura,p.1-3, Dezembro,2003 . Disponível em: < http://www.esenviseu.net/recursos/Download/Tema_28/Uma_Sociedade_Sem_Alma.pdf> Acesso em 04 de Agosto de 2011.

MACHADO, Ondina Maria Rodrigues. A segunda clínica lacaniana e o campo da saúde mental. 2003. v. 35. Doutorado em Teoria Psicanalítica pela IP/UFRJ. Rio de Janeiro,2003. Disponível em :< http://www.ebp.org.br/biblioteca/pdf_biblioteca/Ondina_Machado_A_segunda_clinica_lacaniana_e_o_campo_da_saude_mental.pdf> Acesso em 23 de Outubro de 2011.

MOCELLIM, Alan. A questão da identidade em Giddens e Bauman. 2008.p.31. V. 5 .Tese, Pós-Graduandos em Sociologia Política – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008. Disponível em: < http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/emtese/article/view/13443/12340> Acesso em: 24 de maio de 2012.

NETO, José Paulo; BRAZ, Marcelo. Economia Política: uma introdução crítica. 3. ed. São Paulo, Cortez, 2007, v.1.

NOVA, Sebastião Vila.Organização social e objeto da sociologia.In:NOVA, Sebastião Vila. Introdução à sociologia: 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2010.

PINTO, Elias Fernandes. A ética aristotélica: o caminho para a felicidade completa. Revista Filosofia Capital, Brasília, vol. 5, n. 11, p. 03-12, jul.2010. Disponível em: <http://www.filosofiacapital.org/ojs-2.1.1/index.php/filosofiacapital/article/view/132> .Acesso em 16 de Agosto de 2011.

REIS, Alberto O.A; MAGALHÃES, Lúcia M. A.; GONÇALVES, Waldir Lourenço. Narcisismo. In: REIS, Alberto O. A.; MAGALHÃES, Lúcia M. A.; GONÇALVES, Waldir Lourenço.Teorias da personalidade em Freud, Reichi e Jung. São Paulo: EPU, 1984. p.42-46.

_______________.Revolução na revolução. In: REIS, Alberto O. A.; MAGALHÃES, Lúcia M. A.; GONÇALVES, Waldir Lourenço.Teorias da personalidade em Freud, Reichi e Jung. São Paulo: EPU, 1984. p.47-54.

RIBEIRO, Jorge Ponciano. Conceito de mundo e de pessoa em Gestal-terapia:revisitando o caminho.São Paulo: Summus, 2011,125p.

ROSA, Mirian Debieux. A pesquisa psicanalítica dos fenômenos sociais e políticos: metodologia e fundamentação teórica: Revista mal-estar e subjetividade.Fortaleza,V. IV,N. 2,Setembro.2004, p. 329 – 348. Disponível em:<http://pepsic.bvsalud.org/pdf/malestar/v4n2/08.pdf> Acesso em 23 de Outubro de 2011.

ROSA, Maria. Psicanálise aplicada à saúde mental. Cartas de psicanálise.Ipatinga: Ano I, vol. I, n.I, p.14-17.

ROUDINESCO; PLON. Dicionário de Psicanálise.1ª ed. Zahar,1998, p.888.Disponível em: < http://www.4shared.com/document/D8q3qpwP/ROUDINESCO_Elisabeth_PLON_Mich.html?cau2=403tNull> Acesso em 07 de Outubro de 2011.

SALLES, Ana Cristina Teixeira da Costa. Humor – dor e sublimação.Laboratório de psicanálise da UFC.Fortaleza,Maio,2011. Disponível em:< http://www.psicanalise.ufc.br/hot-site/pdf/Mesas/03.pdf> Acesso em 24 de Outubro de 2011.

SILVA, José Aparecido da. A dinâmica da felicidade. Psique ciência e vida, ano II, n. 22, p. 53-59, 2010.

TAVARES, Fred. O consumo na pós-modernidade: Uma perspectiva psicossociológica. Comum. Rio de Janeiro, vol. 9, n.22, p. 122-143, janeiro/junho de 2004.Disponível em:< http://www.fredtavares.com.br/resumos.htm#comum22> Acesso em 23 de Outubro de 2011.

TFOUNI, Fábio Elias Verdiani; SILVA, Nice da. A modernidade Líquida: O sujeito e a interface com o fantasma. Revista Mal-estar e Subjetividade– Fortaleza – Vol. VIII – Nº 1 – p. 171-194 – mar/2008. Disponível em:< http://redalyc.uaemex.mx/pdf/271/27180109.pdf> Acesso em 23 de Outubro de 2011.

VELOSO. “É proibido proibir”. C. Veloso (compositor). In: Ao vivo Caetano e Mutantes. São Paulo: Philips, 1968. Faixa 1…….

Tags: